PUBLICIDADE
Topo

Cotidiano

Conteúdo publicado há
9 meses

Brumadinho: Vítima é identificada após 31 meses; 9 seguem desaparecidos

Juliana Creizimar Resende Silva é a 261ª vítima identificada na tragédia de Brumadinho (MG) - Arquivo pessoal
Juliana Creizimar Resende Silva é a 261ª vítima identificada na tragédia de Brumadinho (MG) Imagem: Arquivo pessoal

Do UOL, em São Paulo

25/08/2021 17h44Atualizada em 25/08/2021 21h24

Foi identificada hoje, dia em que a tragédia de Brumadinho (MG) completa 31 meses, mais uma vítima do rompimento da barragem na Mina Córrego do Feijão, em 25 de janeiro de 2019. O corpo de Juliana Creizimar de Resende Silva, morta aos 33 anos, foi localizado na tarde de ontem e foi identificado por exames de arcada dentária.

Agora, já são 261 corpos recuperados e 9 pessoas ainda não foram localizadas. Em nota, o Corpo de Bombeiros Militar de Minas Gerais (CBMMG) divulgou se tratar de uma mulher e que os trabalhos continuam após 2 anos e 7 meses. Em janeiro deste ano, a corporação chegou a estimar que as buscas poderiam levar mais quatro anos, dadas as dificuldades do terreno e as "características peculiares da operação".

Juliana trabalhou na Vale por mais de 10 anos, era mãe de gêmeos e morreu na tragédia, junto ao marido, Dennis Augusto Silva. À época, as crianças tinham apenas 10 meses.

Vale condenada a indenizar trabalhador

Também hoje, a Vale, que controlava a barragem, foi condenada a indenizar um ex-funcionário em R$ 300 mil por danos morais, depois que a Justiça reconheceu que o rompimento da barragem causou abalo psicológico ao trabalhador.

Na ação trabalhista, o profissional alegou que sofreu abalo psicológico em razão do rompimento da barragem, uma vez que estava presente no momento do acidente. Uma testemunha contou que estava com o autor da ação na área da mina no dia da tragédia.

Segundo a testemunha, eles ficaram desesperados com o barulho, pularam uma cerca e correram para um local mais alto, encontrando outros colegas na estrada.

Para o julgador, ao contrário do que é afirmado pela empresa, o ex-funcionário sofreu a influência do evento danoso. "Sejam as repercussões advindas de estar no local do acidente no dia e momento em que ocorrido, sejam aquelas decorrentes da vivência posterior, do trauma pela perda dos colegas de serviço, das mudanças na rotina de atividades, entre outros fatores", ressaltou.

Cotidiano