PUBLICIDADE
Topo

Cotidiano

Conteúdo publicado há
15 dias

'É um dissabor, um trauma', diz delegada negra barrada em loja no CE

Ana Paula Barroso teria sido barrada por funcionário sob alegação de "questões de segurança" - PCCE/divulgação
Ana Paula Barroso teria sido barrada por funcionário sob alegação de 'questões de segurança' Imagem: PCCE/divulgação

Do UOL, em São Paulo

21/09/2021 16h40Atualizada em 21/09/2021 16h45

A delegada Ana Paula Barroso, que denunciou ter sido barrada na entrada da loja de roupas Zara do Shopping Iguatemi, em Fortaleza, diz que decidiu levar a denúncia contra o estabelecimento "até o fim" após pessoas próximas apontarem o racismo na situação que viveu.

Ela foi impedida de continuar no estabelecimento por um funcionário que alegou "questão de segurança", mas pouco depois voltou à loja acompanhada do chefe de segurança do shopping, que afirmou que a abordagem foi inadequada. A delegada diz que o atendente chegou a se desculpar e desde o início tentou afastar a hipótese de ter agido com preconceito.

"Ele se desculpou, tentou justificar que tem amigos negros, amigos transexuais, disse que não tem preconceito. Eu respondi que aceitava as desculpas, mas o chefe de segurança me falou que precisava fazer um relatório, no qual constaria que o atendente confirmou minha versão. Só depois desse relatório e de falar com amigos e família que ficou clara a situação de racismo na minha cabeça", declarou a delegada ao jornal O Globo.

Procurados ontem pelo UOL, representantes da Zara alegaram que a ação se deu por Ana Paula estar tomando um sorvete no momento em que entrava na loja, usando máscara de uma maneira inadequada segundo os protocolos contra a covid-19 - mas, após pedido da reportagem, disseram que não iriam ceder as imagens do ocorrido.

No domingo (19), após também receber três negativas da loja para obter os registros, a Polícia Civil obteve um mandado de busca e apreensão para recuperar os vídeos do circuito interno de segurança.

"É um comportamento tão velado, tão sutil, que é difícil de perceber no momento. É tão impactante que, sozinha, você não consegue ser combativa na hora que acontece", continuou a delegada em depoimento à mídia carioca.

Ana Paula é diretora adjunta do Departamento de Proteção aos Grupos Vulneráveis da Polícia Civil do Ceará. Ela justifica também que seu cargo, diretamente envolvido com grupos alvo de preconceito, a incentivou a manter a denúncia.

A delegada destacou em depoimento que chegou a questionar as razões do funcionário para retirá-la da loja, mas que teria recebido várias negativas e não teve acesso ao estabelecimento.

"É um dissabor, um trauma, gera cansaço, mas vou levar até o fim. Senão daqui a pouco vão querer se isentar, dizer que se equivocaram, vir com essas evasivas do dia a dia. Por que o racismo muitas vezes não é verbalizado, a pessoa não diz que você não vai entrar porque é negra. Então é importante levar o caso adiante para mostrar que houve racismo na situação que passei", concluiu ela ao Globo.

Segundo a delegada que cuida do caso, Anna Nery, da Delegacia de Defesa da Mulher (DDM) de Fortaleza, dois seguranças e uma testemunha que estava dentro da loja ainda serão ouvidos na investigação. "Após todas essas oitivas, ao final, será ouvido o suspeito do fato", explicou.

Cotidiano