PUBLICIDADE
Topo

Cotidiano

Conteúdo publicado há
1 mês

Mulher vista por marido personal em carro com sem-teto processa Sikêra Jr.

Sikera Jr no programa Alerta Nacional - Reprodução
Sikera Jr no programa Alerta Nacional Imagem: Reprodução

Igor Mello

Do UOL, no Rio

22/05/2022 15h03

Sandra Mara Fernandes — mulher encontrada pelo marido em um carro com um homem em situação de rua, identificado como Givaldo de Souza — decidiu processar o apresentador Sikêra Jr. por causa de comentários depreciativos feitos por ele durante seu programa na RedeTV.

O processo foi protocolado na sexta-feira (20) pelo advogado de Sandra. Ela acusa o apresentador — conhecido por manifestações ofensivas contra a população LGBTQI+, usuários de drogas e políticos de esquerda — dos crimes de injúria e difamação. O caso corre na 2ª Vara Criminal e 2º Juizado Especial Criminal de Planaltina.

Em seu programa "Alerta Nacional", Sikêra afirmou que a mulher "tinha uma fantasia" de "subir no pau de sebo" e negou que ela tenha sido estuprada por Givaldo — como Sandra e o marido, o personal trainer Eduardo Alves, afirmam. Em tom irônico, ele afirmou que a relação com o homem em situação de rua "era amor".

Ao postar um texto de desabafo em suas redes sociais em 27 de abril, a mulher fez menção aos comentários de Sikêra Jr.

"Fui vítima de chacotas, humilhações em rede nacional. Fui taxada como uma mulher qualquer, uma mulher promíscua, uma mulher com fetiches, uma traidora. E mais ofendida ainda por ter sido atacada por outras mulheres que entenderam que eu merecia o pior".

"Eu sempre soube que vivemos numa sociedade desigual, mas eu não escolhi ter um surto, eu não escolhi ter sido humilhada, eu não escolhi ter minha vida exposta e devastada", completou ela.

Marido é indiciado por agressões

Também na sexta-feira, a Polícia Civil do Distrito Federal concluiu o inquérito que investigou as agressões feitas de Eduardo Alves após flagrar Givaldo tendo relações sexuais com a mulher. Ele foi indiciado por lesão corporal.

O caso agora será encaminhado ao MPDFT (Ministério Público do Distrito Federal e Territórios), que decidirá se oferece ou não denúncia à Justiça. À polícia, Eduardo alegou que agrediu Givaldo porque pensou que a esposa estivesse sendo estuprada. O casal alega que Sandra estava tendo um surto psicótico e não tinha condições de ter uma relação consensual com Givaldo.

Givaldo não foi indiciado por estupro de vulnerável, o que foi comemorado pela sua defesa. "Em realidade, as investigações foram concluídas, apontando o Givaldo tão somente como vítima de brutais e covardes agressões", afirmaram em nota os advogados do homem em situação de rua.

Cotidiano