PUBLICIDADE
Topo

Cotidiano

Conteúdo publicado há
1 mês

Mulher vai a hospital com cólica e se surpreende ao parir menino de 2,8 kg

Letícia Senna, 26, só descobriu que estava grávida às vésperas de iniciar o trabalho de parto - Arquivo Pessoal
Letícia Senna, 26, só descobriu que estava grávida às vésperas de iniciar o trabalho de parto Imagem: Arquivo Pessoal

Maurício Businari

Colaboração para o UOL

24/06/2022 18h27

Acreditando estar ainda no início de uma gravidez inesperada, a gerente comercial Letícia Senna, 26, foi parar em um hospital após sentir fortes cólicas e acabou saindo de lá com um bebê no colo, em Niterói (RJ). Ela não sabia, mas as dores já eram um sinal de que estava entrando em trabalho de parto.

Letícia fez uma publicação no TikTok contando sobre a surpresa que foi o nascimento do pequeno Asafe e o vídeo dela saindo do hospital já ultrapassou a marca de 7,7 milhões de visualizações. Nos comentários, milhares de internautas se mostraram ávidos para entender como ela não sabia que estava em trabalho de parto.

@letssenna cheguei no hospital com colica e sai de la com um filho kkkkkkk tem q rir p n surtar #foryou #gravidezsurpresa #fy #mae #maededois #gossipdodia #surpresa #viraltiktok ? Beat Automotivo Tan Tan Tan Viral - WZ Beat

A gerente comercial contou ao UOL que, na primeira semana de junho, sentiu algo mexer em sua barriga. Mas não sabia o que poderia ser. Afinal, seu corpo não havia mudado em nada. Ela, que já é mãe de uma menina, com pouco mais de 1 ano, sabe como são as transformações que envolvem a gravidez no corpo.

"Quando fiquei grávida da minha filha, eu engordei, fiquei inchada, tinha todas as características de uma mulher grávida. Dessa vez, não. Minha menstruação estava regular, não ganhei peso. Quando senti algo mexer na barriga, achei que estava doida. Fiz um teste de farmácia só para desencanar, e aí deu positivo".

Acreditando estar nas primeiras semanas de gravidez, Letícia, que trabalha muito durante a semana, decidiu esperar pelo sábado (11) para fazer uma ultrassonografia e verificar de quantas semanas seria a gravidez e se estava tudo bem com o bebê. Porém, na sexta-feira, ela começou a se sentir mal e a mãe decidiu levá-la para a maternidade.

"Fiz um novo teste lá e deu positivo. Como estava de noite, a ultrassom só poderia ser feita na manhã seguinte. Após o exame de toque, o médico descobriu que eu já estava com 3 centímetros de dilatação. Recomendaram então à minha mãe que me levasse a outro hospital, com melhores condições de me atender, pois acreditaram que eu estaria grávida de, no máximo, 25 semanas por causa do tamanho da barriga. Ou seja, a criança nasceria prematura".

Letícia afirma que, a partir daí, viveu momentos de angústia e tensão. Acompanhada da mãe, Letícia foi até o hospital Azevedo Lima, em Niterói. Para aumentar sua surpresa, os médicos constataram uma dilatação de 6 centímetros. Minutos depois, enquanto ainda estava sendo examinada, a bolsa estourou. Letícia estava em trabalho de parto.

A jovem foi levada para um quarto, onde permaneceu recebendo medicação intravenosa, aguardando realização de uma ultrassonografia, que seria realizada somente no dia seguinte, contribuindo para aumentar sua angústia.

"Foi muito triste, foram momentos perturbadores na minha cabeça porque eu não sabia o que estava acontecendo. Eu estava com medo, sozinha, com seis centímetros de dilatação, a bolsa estourada. Eu não sabia o que pensar, não tinha uma fralda em casa, nada. Estava totalmente despreparada".

No sábado (11), quando enfim conseguiu realizar a ultrassonografia, foi novamente surpreendida. Ela não estaria grávida de apenas 12 ou 15 semanas, como ela pensava, tampouco de 25 semanas, como os médicos acreditavam. Na verdade, Letícia estava grávida de 35 semanas de um bebê saudável, do sexo masculino.

Enquanto aguardava na maternidade pelo momento do parto, programado para o domingo (12), os familiares de Letícia corriam para comprar, de última hora, fraldas, berço, apetrechos necessários e o enxoval completo do bebê. A cirurgia acabou sendo adiada para a segunda-feira (13), mas, antes do procedimento, os médicos constataram que a dilatação já estava em 7 centímetros, o que mudou os planos.

Asafe nasceu de parto normal no dia 13 de junho, às 8h54, pesando 2,8 quilos e medindo 48 centímetros. Letícia teve alta no dia 15 e o bebê permaneceu em observação até a sexta-feira (17), quando também recebeu alta.

Gravidez silenciosa

Apesar de serem considerados casos raros, algumas mulheres podem engravidar sem perceber nenhum sintoma, como náuseas, cansaço e mamas sensíveis, mesmo durante toda a gestação, podendo, inclusive, continuar a ter sangramentos e manter-se magra.

"Entre 50 a 70% das grávidas apresentam algum tipo de sintoma durante a gestação", afirma a ginecologista e obstetra Márcia Maria da Costa. "Entretanto, algumas mulheres apresentam uma gravidez tranquila, sem sintomas algum, e isto é normal".

Sobre a menstruação, Márcia explica que a mulher tem ciclos irregulares, passando períodos maiores entre uma menstruação e outra. Quando apresenta um sangramento, que na verdade pode se tratar de uma ameaça de aborto (até o quinto mês de gestação) ou alguma condição que leva ao sangramento (placenta baixa, por exemplo), a mulher pensa que está menstruando.

"O importante é conhecer seu organismo. Sempre anotar o seu ciclo menstrual e conhecer o padrão do sangramento. E, principalmente, utilizar um método anticoncepcional com maior nível de eficiência. Sempre que ocorrer o sexo desprotegido ou tiver dúvidas na utilização correta do método, recomenda-se procurar um ginecologista", avisa.

Cotidiano