Conteúdo publicado há 1 mês

Mãe e filha viram rés por injúria racial após ataque em mercado do Rio

A Justiça do Rio de Janeiro aceitou denúncia e tornou rés mãe e filha acusadas de injúria racial em um supermercado de Nova Iguaçu, na Baixada Fluminense, em fevereiro deste ano. Letícia Karam de Assis, 20, chegou a ser presa em flagrante após chamar clientes do estabelecimento de "negrada".

O que aconteceu

A juíza Angélica dos Santos Costa, da 2ª Vara Criminal da Comarca de Nova Iguaçu, aceitou a denúncia no último dia 10. Além de Letícia, também foi denunciada a mãe dela, Rosemary Karam, 63.

O UOL tenta localizar a defesa das denunciadas para envio de posicionamento. Caso haja resposta, o texto será atualizado.

A denúncia do MP-RJ (Ministério Público do Rio), apresentada em março, detalha as agressões. Letícia teria atacado diretamente o jornalista Daniel Nascimento e outra vítima, identificada como Márcia Santos. Ela teria dito que Daniel era um "neguinho e um preto feio".

Já Rosemary, entre outras ofensas, teria afirmado a um homem identificado como Arilson Melo: "Você não encosta em mim, você é um 'veado'".

O MP-RJ também cita que Daniel foi agredido por Letícia fisicamente com socos e arranhões. Um vídeo compartilhado pelo jornalista na época mostra os machucados no braço. A filha de Márcia, Brenda, também teria sido agredida por ela após tentar defender a mãe.

Daniel disse, em entrevista à Folha de S.Paulo, que a confusão começou por causa de um lugar na fila do caixa. O jornalista contou que Rosemary estava à frente dele na fila do caixa e saiu para ficar com Letícia, que aguardava na fila ao lado. Em seguida, ela tentou retornar para a frente de Daniel e esbarrou nele. O jornalista, então, disse que a mulher precisava decidir onde ficaria e ela teria começado a discutir com ele.

Deixe seu comentário

Só para assinantes