PUBLICIDADE
Topo

Chegada de Obama a hotel do Rio vira atração para curiosos e turistas

Fabíola Ortiz<br>Especial para o UOL Notícias<br>No Rio de Janeiro

20/03/2011 00h06

Ficar de prontidão em frente ao hotel, no Rio de Janeiro, com a esperança de poder ver de perto o presidente Barack Obama e sua família virou o programa deste sábado (19) à noite para centenas de cariocas e turistas.
OBAMA NO RIO DE JANEIRO
Veja Álbum de fotos

Desde as 17h já havia curiosos que começavam a se concentrar para aguardar a chegada do homem mais poderoso do mundo. A aposentada Leda Ramos, de 66 anos, disse que foi à avenida Atlântica, em Copacabana, só para conferir o movimento. “Vale a pena vir, ele é uma pessoa que merece. La na Cinelândia amanhã (20) vai ser muito confuso, prefiro vê-lo aqui perto de casa”, contou.

A partir das 18h soldados do Exército já cercavam a área e proibiam a aproximação do público. A área de isolamento montada foi de 2.500 metros quadrados, e a presença de soldados paraquedistas que serviram na ocupação do Complexo do Alemão, em novembro do ano passado, foi mais um reforço para garantir a segurança.

A entrada no hotel só era permitida a hóspedes e agentes autorizados do consulado ou da segurança. Na entrada, todos os hóspedes eram revistados e passavam por detectores de metal e por cães farejadores. Muitas pessoas se concentraram em volta do perímetro de segurança montado para esperar a chegada do convidado ilustre.

Estadia "surpresa"

A estadia da família Obama foi surpresa até para funcionários do hotel, que foram avisados em cima da hora da escolha do presidente norte-americano de se hospedar na unidade da rede americana Marriott.

A suíte presidencial em que a família Obama se hospeda tem 96 metros quadrados, contou um funcionário do hotel. O prédio conta com 245 quartos e está funcionando normalmente. Segundo informou o relações públicas do estabelecimento, Hélvio Macellane, não houve a necessidade de que o hotel fosse evacuado para receber apenas a comitiva presidencial.

“Foi tudo muito secreto e sigiloso. Nós soubemos que ele ficaria aqui no hotel na quarta-feira (16)”, disse Macellane, conforme o qual a segurança do hotel já é constantemente treinada para receber personalidades.

Dilma Rousseff hospedou-se no mesmo hotel durante quase toda a sua campanha eleitoral que realizou no Rio de Janeiro, ainda como candidata à Presidência.

O curioso é que no mesmo hotel onde está agora a família Obama, duas noivas preparavam-se para casar exatamente na hora prevista para a chegada dos convidados ilustres.  É o caso da noiva Priscila Santos Magalhães, que havia marcado a festa de casamento no hotel.

“Eu sou da comitiva da noiva e não do Obama. O Obama que espere para a noiva passar”, contou, bem humorado, o motorista Marcelo Guimarães, que aguardava a noiva. “É por isso que ela estava nervosa, eu não sabia que era justamente nesse hotel que o Obama iria ficar”, disse Guimarães, que chegou duas horas antes do combinado para aguardar pela noiva, que só sairia para ir à igreja às 19h30, hora em que estava prevista a chegada da família Obama ao hotel.

Centenas de curiosos

Dos muitos curiosos na rua, havia os mais criativos. Com Faixas como a que dizia “seja bem vindo à cidade mais linda do mundo. Obama você é o cara”, alguns tentavam demonstrar carinho e hospitalidade aos norte-americanos.

Entre eles, estava o sósia de Obama, Alex Nunes, de 33 anos, que chegou à avenida Atlântica com terno e uma faixa com as cores dos Estados Unidos. Ele se juntou à concentração de cariocas para esperar pelo presidente. Logo chamou atenção de transeuntes, que tiraram fotos com ele. “Para mim, a visita do Obama está sendo um sucesso”, disse, sorridente. “Só achei estranho que em cima da hora ele suspendeu o discurso na Cinelândia”, lamentou o sósia do chefe de Estado dos EUA, que vai perder a oportunidade de vê-lo mais de perto.

Além dos curiosos de plantão, havia também os moradores dos edifícios residenciais vizinhos que ficaram nas janelas para ver o movimento. “Vai ser bom para o Brasil a visita do Obama”, disse o porteiro João de Oliveira, de 38 anos. Ele trabalha no edifício bem ao lado do hotel onde está hospedada a família Obama e contou que durante toda a semana helicópteros sobrevoaram os céus de Copacabana.

O funcionário do prédio disse que quando o Obama chegasse iria tentar ver pela fresta das grades que rodeiam o seu edifício.

Já a carioca Maria das Graças Novio, 55 anos, vive há 10 anos no edifício e disse que fica animada com a movimentação toda. “Gosto de ver essa alegria, esse movimento aqui perto e o povo animado. Acho espetacular a visita do Obama. Será que eu desço na hora para vê-lo?”, brincou.

Ação rápida e espetacular

Pouco depois da 20h, a área em frente ao hotel e as duas pistas da avenida Atlântica já estavam isoladas, e agentes americanos com cães farejadores faziam as últimas vistorias em viaturas brasileiras oficiais em carros da própria polícia brasileira, como da Polícia Federal.

Às 21h em ponto dezenas de batedores cercaram o local e, com sirenes ligadas, acompanharam três carros pretos que logo entraram no estacionamento fechado do Marriot. Era o presidente Obama e a família que estavam dentro de um dos carros. De tão rápida e espetacular a ação, não houve tempo para a apreciação do público, e os convidados ilustres ansiosamente aguardados não foram vistos pelas centenas de pessoas em volta.

Neste domingo (20), Obama deve visitar o Cristo Redentor, um dos principais cartões-postais da cidade, antes de fazer um discurso no Theatro Municipal, na Cinelândia, para um grupo de convidados.

Internacional