Jovem faz "vaquinha virtual" para se tornar a 1ª dançarina de balé com véu

Do UOL, em São Paulo

  • Reprodução/ Stephanie Kurlow

A jovem australiana Stephanie Kurlow, 14, iniciou uma campanha na internet para realizar o sonho de ser a primeira bailarina profissional a dançar com um hijab (véu islâmico).

Filha de mãe russa e pai australiano, Stephanie vive em Sydney com a família, que se converteu ao islã em 2010. Dançarina de balé desde pequena, a jovem parou de dançar para seguir a prática religiosa, mas nunca deixou de sonhar com a oportunidade de se tornar uma bailarina profissional. O problema é que as escolas muçulmanas não oferecem aulas de dança, e nenhuma companhia aceitaria uma dançarina que vestisse o véu tradicional islâmico.

Em suas imagens nas redes sociais, Stephanie mostra que o hijab não prejudica em nada a sua atuação, e as roupas de balé foram adaptadas --são mais longas do que as que bailarinas usam normalmente. "O hijab é parte de quem sou, e representa a bela religião que amo", disse a menina em entrevista ao "NY Daily News".

A proposta de Stephanie é arrecadar em uma "vaquinha virtual" 10 mil dólares australianos (cerca de R$ 28 mil) para dançar durante tempo integral em uma academia de balé profissional, praticando entre 30 e 45 horas por semana. O objetivo dela é conseguir as qualificações e diplomas necessários para um dia abrir sua própria escola de artes "onde crianças e adolescentes de diferentes religiões, raças e experiências de vida" pudessem ser aceitas. "Esta escola teria programas especiais para religiões específicas e grupos de apoio para a juventude", diz a jovem.

Reprodução/ Stephanie Kurlow
"Há tantas mudanças inspiradoras acontecendo no mundo. Como as primeiras bailarinas negras do mundo, Michaela De Prince e Misty Copeland, a primeira levantadora de peso usando um hijab, Amna Al Haddad, e a primeira âncora de TV americana a usar um hijab, Noor Tagouri, que me motivaram a perseguir minha paixão", diz Stephanie.

"Eu quero encorajar todos a se unir, independentemente de fé, raça ou cor", afirma a menina.

Desde que começou a arrecadação, no fim do mês de janeiro, Stephanie já conseguiu quase 3.000 dólares australianos (cerca de R$ 8.400 )

"Não quero que certas pessoas que discriminam impeçam qualquer pessoa de realizar sonhos e ser única", diz. "Acredito que, um dia, todas as crianças e jovens terão a oportunidade de se apresentar e criar, sem sacrificar seus valores, crenças ou aparência".

 

Had such a fun photo shoot the other day!

A photo posted by s???????? ?????? (@stephaniekurlow) on

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos