Para Serra, Brasil no Conselho de Segurança da ONU não é prioridade

Do UOL, em São Paulo

  • Eduardo Petrini - 6.jun.2016/Framephoto/Estadão Conteúdo

    O ministro das Relações Exteriores, José Serra, participa do programa Roda Viva, da TV Cultura

    O ministro das Relações Exteriores, José Serra, participa do programa Roda Viva, da TV Cultura

O ministro das Relações Exteriores, José Serra, não incluiu entre as principais metas da diplomacia brasileira o pleito para que o Brasil ingresse como membro permanente no Conselho de Segurança da ONU (Organização das Nações Unidas). A afirmação foi feita nesta segunda-feira (6), no programa "Roda Viva", da TV Cultura.

A candidatura como integrante permanente para o Conselho de Segurança era um discurso repetido durante os governos de Luiz Inácio Lula da Silva, do PT. O Conselho de Segurança é composto de cinco membros permanentes (Estados Unidos, Rússia, China, França e Reino Unido) e por dez membros não permanentes, eleitos para mandatos de dois anos. Segundo informações do Itamaraty, o Brasil é, ao lado do Japão, o país que por mais vezes integrou o conselho como membro não permanente.

Admitindo que não estava "bastante por dentro" do assunto conselho, Serra afirmou no programa "Roda Viva", da TV Cultura, que o ingresso "não é moleza fazer" e é uma "briga de gente grande".

Serra também criticou políticas adotadas pelos governos de Lula e de Hugo Chávez, na Venezuela, assim como de seus sucessores (Dilma Rousseff e Nicolás Maduro). "Sob o lulismo e o chavismo, Brasil e Venezuela representaram a vanguarda do atraso", atacou. Especificamente na economia, disse Serra, essas formas de governar "foram purificando" o caráter desses países de meros produtores de matérias-primas.

"Os anos Lula estão marcados pela desindustrialização do Brasil", concluiu.

Sobre a possibilidade de reduzir o número de embaixadas brasileiras no mundo, Serra disse que essa decisão ainda não foi tomada. "Não disse que ia fechar embaixadas, o que mandei foi fazer um levantamento [das embaixadas existentes]", ponderou. "Vamos fazer um diagnóstico primeiro."

Serra confirmou a intenção do Brasil de estabelecer mais acordos comerciais bilaterais, mas com o cuidado de preservar a economia nacional. "Não tem concessão unilateral, chega. É troca, troca; concessão, concessão."

O ministro ainda afirmou que o aprofundamento da relação com grandes economias, como a dos Estados Unidos, não se caracteriza como dependência. "É infantil acreditar nisso."

Promessa de novas diretrizes

José Serra assumiu o cargo de ministro das Relações Exteriores no dia 18 de maio último e anunciou mudança de estratégia da política externa brasileira. 
 
Opositor dos governos petistas, Serra afirmou, em seu discurso de posse, que a diplomacia brasileira estará "a serviço do Brasil como um todo e não mais das conveniências e preferências ideológicas de um partido político e de seus aliados no exterior". Segundo Serra, a política externa brasileira "será regida pelos valores do Estado e da nação, não do governo e jamais de um partido".
 
Além da intenção de descolar a política externa de uma suposta ideologia, Serra anunciou que o Ministério das Relações Exteriores trabalhará com base em outras nove diretrizes básicas.
 
Já nos primeiros dias do governo interino de Michel Temer (PMDB), Serra mostrou que a política externa brasileira não poupará de críticas e reações mais duras países alinhados com Dilma Rousseff e o PT, como o de Nicolás Maduro, na Venezuela. Em notas, o Ministério das Relações Exteriores rechaçou o que chamou de "falsidades" propagadas por Venezuela, Cuba, Bolívia, Equador e Nicarágua, que haviam questionado a legalidade do afastamento de Dilma.
 
Nesta segunda-feira (6), Serra adotou discurso mais conciliador em relação à Venezuela, dizendo que o governo brasileiro apoia "iniciativas construtivas" que levem ao entendimento entre governo e oposição no país e que o Brasil ainda pode doar medicamentos. A Venezuela enfrenta grave crise de desabastecimento.
 

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos