Topo

Arqueólogos descobrem cidade de 5 mil anos em Israel

Arqueólogos israelenses trabalham no antigo local de En Esur (Ein Asawir), onde uma cidade de 5.000 anos foi descoberta perto da cidade israelense de Harish - JACK GUEZ/AFP
Arqueólogos israelenses trabalham no antigo local de En Esur (Ein Asawir), onde uma cidade de 5.000 anos foi descoberta perto da cidade israelense de Harish Imagem: JACK GUEZ/AFP

AFP

06/10/2019 16h12

Autoridade de Antiguidades de Israel (AIA) apresentou neste domingo, no centro de Israel, os restos de uma cidade construída há 5 mil anos, uma das maiores e mais antigas do Oriente Médio naquela época.

"Temos aqui uma construção urbana enorme, planejada, com ruas que separam áreas residenciais e espaços públicos", disse à AFP Yitzhak Paz, um dos arqueólogos responsáveis pelas escavações. Por sua dimensão, trata-se de uma grande descoberta no Oriente Médio, que data da Idade do Bronze, assinalou.

"En Esur (perto da cidade de Hadera), é o maior e mais importante sítio (da Idade do Bronze), seu tamanho é de 0,65 km², ou seja, o dobro do que conhecemos", explicou o arqueólogo Itai Elad.

Entre 5 mil e 6 mil pessoas "viviam aqui da agricultura e do comércio", segundo estimativas de Yitzhak Paz, segundo quem o sítio foi abandonado no terceiro milênio antes da nossa era, por razões desconhecidas.

As escavações, realizadas há mais de dois anos e meio, também permitiram revelar outra localidade, menor, de 7 mil anos atrás, um cemitério e um templo dedicado a rituais religiosos. Também foram descobertas fortificações de cerca de 20 metros de comprimento e dois de altura, explicou a arqueóloga Dina Shalem.

"Tratam-se dos primeiros passos do processo de urbanização daquela região", então Canaã, segundo Yitzhak Paz.

Foram encontrados cerca de 4 milhões de fragmentos, disse Itai Elad, incluindo cerâmicas, ferramentas de sílex e vasos de pedra e basalto, parte dos quais procedentes do Egito. Também foram descobertos outros vestígios, como figuras com rosto humano ou animal. "Encontramos restos de animais queimados em um tanque de pedra no interior do templo, uma prova de oferendas de sacrifícios", explicou Elad.

As escavações, realizadas no local com a ajuda de 5 mil jovens e voluntários, antecederam um projeto de construção de uma estrada dirigido pela empresa nacional de transportes Netivei Israel. Devido às descobertas, os planos foram modificados para preservar o sítio.

Arqueólogos descobrem desenho mais antigo da humanidade

Band Notí­cias

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{user.alternativeText}}
Avaliar:

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Internacional