PUBLICIDADE
Topo

Internacional

Bolsonaro exalta Trump após EUA desclassificarem Brasil como emergente

Hanrrikson de Andrade

Do UOL, em Brasília

11/02/2020 09h59

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) exaltou hoje o chefe de estado americano, Donald Trump, um dia depois de os Estados Unidos retirarem o Brasil da lista de nações consideradas em desenvolvimento. A posição de emergente dava ao país sul-americano determinados privilégios comerciais.

Em conversa com apoiadores na saída do Palácio da Alvorada, nesta manhã, Bolsonaro perguntou o motivo pelo qual "Trump é tão criticado pela imprensa nos Estados Unidos". O assunto surgiu depois que um homem disse ser casado com uma americana e pediu para que o presidente tirasse uma foto com a mulher.

"O cara [Trump] diminuiu o desemprego, melhorou a economia, atendeu os latinos que já estão lá... Será que notícia boa a imprensa não vende? Será que é isso?", interpelou.

Esta não é a primeira vez que Bolsonaro manifesta sua admiração pelo presidente dos EUA. Na última quinta (6), ele fez uma live (transmissão ao vivo) em sua página no Facebook para comemorar a absolvição de Trump em processo de impeachment. De frente para a TV e com auxílio de um tradutor, o mandatário brasileiro acompanhou o discurso do norte-americano, com pausas para comentários e críticas aos adversários.

Durante a exibição, Bolsonaro se irritou com perguntas de seguidores que o chamavam de "bajulador". "Ninguém fique pensando que eu estou aqui bajulando o Donald Trump", retrucou. "Indo bem os Estados Unidos, quanto menos problemas tivermos no mundo, mais fácil para nós tratarmos das nossas relações bilaterais."

Em setembro do ano passado, depois de discursar na ONU (Organização das Nações Unidas), Bolsonaro esteve com Trump em Nova York. Diplomatas que testemunharam a cena relataram ao colunista Lauro Jardim, de "O Globo", que o brasileiro teria dito "I love you" ("Eu te amo", em português) ao americano. Como resposta, ouviu: "Que bom te ver de novo".

Silêncio

Após a rápida conversa com os apoiadores na saída do Palácio da Alvorada, o mandatário brasileiro foi questionado por jornalistas sobre a decisão de retirar o país da lista de nações em desenvolvimento. Bolsonaro, no entanto, recusou-se a responder.

Mais países afetados

A norma publicada ontem pelo governo Trump afeta o Brasil e outras 18 nações, entre as quais China, Argentina, Colômbia, Índia e África do Sul. São países que, a partir de agora, podem ser alvo dos EUA caso seja comprovado que eles subsidiam produtos acima de um determinado teto, por exemplo.

Na sua primeira visita aos Estados Unidos, em março de 2019, Bolsonaro aceitou abrir mão de seu status de país em desenvolvimento na OMC (Organização Mundial do Comércio) em troca do apoio dos EUA à entrada do Brasil na OCDE (Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico), o clube dos países ricos.

O objetivo é reduzir o número de nações emergentes que poderiam receber tratamento especial sem serem afetados por barreiras contra seus produtos. Na prática, Trump passa a exigir que os subsídios dados por China, Brasil ou Índia sigam os mesmos critérios que ele aplica para Alemanha ou Japão.

Internacional