PUBLICIDADE
Topo

Internacional

Conteúdo publicado há
1 mês

Mulher descobre após 2 meses que vizinho estava morto dentro de apartamento

Reagan Baylee diz em vídeo no TikTok que descobriu que vizinho estava morto dentro do apartamento após 2 meses - Reprodução/Tik Tok
Reagan Baylee diz em vídeo no TikTok que descobriu que vizinho estava morto dentro do apartamento após 2 meses Imagem: Reprodução/Tik Tok

Do UOL, em São Paulo

17/10/2021 11h06Atualizada em 18/10/2021 08h25

A americana Reagan Baylee contou, em vídeos publicados em seu perfil de TikTok, que demorou cerca de dois meses para descobrir que seu vizinho estava morto dentro de um apartamento ao lado do seu, em Los Angeles, nos Estados Unidos.

"Eu dormi a um metro de um vizinho morto por oito semanas durante a quarentena. Gostaria que fosse mentira", disse.

Ela disse que, durante a pandemia do novo coronavírus, em maio de 2020, começou a sentir um cheiro estranho e teve náuseas, além de perceber um aumento no número de insetos em seu apartamento de 23 m².

"Eu estava tendo dores de cabeça, não estava realmente dormindo durante a noite, estava me sentindo muito enjoada e, honestamente, todos nós meio que superamos isso porque me sentia um pouco solitária e ficando um pouco louca durante a quarentena, assim como todo mundo ", contou.

Reagan afirmou que avisou a administradora do prédio sobre o cheiro, mas não houve reação. De acordo com ela, o cheiro lembrava o de um peixe morto —o que a fez imaginar o que poderia ter acontecido.

"Comecei a pensar que talvez o cachorro do meu vizinho que vivia à direita de mim tivesse morrido ou algo tivesse acontecido, mas a administradora me disse que não podia simplesmente começar a bater na porta dos vizinhos e incomodá-los ", disse.

Segundo Reagan, o cheiro piorava quando ventava. Ela explicou que a estrutura do prédio, como a de hotéis antigos americanos, e a localização de seu apartamento, no final do corredor e com apenas duas portas próximas, fazia com que sentisse o odor de forma mais intensa.

"Tinha um pressentimento muito ruim de que algo estava errado e o cheiro ficava muito pior toda vez que ventava. Mas lembre-se, estamos no meio da pandemia e estávamos em casa 24 horas por dia, sete dias por semana, então acho que me acostumei", avaliou.

Preocupada, Reagan chamou seu namorado, depois de algumas semanas. Ele também sentiu cheiro forte e passou mal. Apesar da insistência com a administradora, ela disse que não era atendida e chegou a ligar para a polícia, que deu o prazo de 48 horas para ir ao local caso a situação não tivesse sido resolvida.

Porém, estavam acontecendo os protestos pela morte de George Floyd, e Reagan disse não ter retornado a ligação à polícia por avaliar que naquele momento a sua situação era "a menor das preocupações de qualquer um".

O impasse começou a se desfazer quando a mulher convenceu a administradora a enviar um funcionário de manutenção. "Ele quase não conseguiu subir as escadas. Ele arrancou a máscara e disse: 'vou pegar a chave mestra, alguém está morto'", disse. Porém, não retornou.

Reagan então voltou a ligar para a polícia, que foi ao prédio para verificar o que acontecia no apartamento vizinho. "O policial girou a maçaneta e abriu um pouco a porta. A quantidade de insetos que saiu desta unidade, milhares deles, voando para fora da unidade...Eles [policiais] bateram a porta na hora e pediram reforço", disse.

A mulher não entrou em detalhes sobre a idade do vizinho e nem qual foi a causa provável de sua morte. A polícia local também ainda não se manifestou sobre o ocorrido aos jornais americanos que reproduziram a história. Mas Reagan disse que o espanto com a situação foi geral.

"Para encurtar a história, eles disseram que este foi o pior corpo decomposto que já tinham encontrado, e eles veem muitos corpos decompostos. Não vou entrar muito nos detalhes disso, especialmente para a privacidade da pessoa, mas vamos apenas dizer que eles foram liquefeitos e eram basicamente um esqueleto neste ponto", finalizou.

Internacional