Mulheres adotam visual careca para expressar personalidade e poder

Hayley Phelan

  • Erin Baiano/The New York Times

    Mackenzie Jones, 20, que usa a cabeça raspada desde que tinha 15 anos

    Mackenzie Jones, 20, que usa a cabeça raspada desde que tinha 15 anos

Uma geração de jovens mulheres está descobrindo uma nova maneira de ganhar mais personalidade e poder. Tudo o que é necessário é uma boa máquina de cortar cabelo e uma certa coragem.

"Desde que raspei minha cabeça, eu realmente floresci", disse Alana Derksen, moradora de Toronto de 22 anos que adotou o chamado "buzz cut" [por causa do ruído "buzz" da maquininha] e recebeu elogios de seus mais de 21 mil seguidores no Instagram. "Isso me deu uma confiança que eu nunca tive."

Derksen queria raspar a cabeça havia anos, mas se continha por medo da reação de sua família "conservadora". Então, certa noite no último verão, durante uma tensa viagem para casa, ela finalmente cedeu ao impulso: cortou seus cabelos no banheiro dos pais e usou um aparelho de barbear para terminar o serviço.

Agora ela diz estar tão acostumada à cabeça raspada, que mantém com aparelho elétrico, que tem pesadelos sobre seu cabelo voltar a crescer. Até seus pais já se habituaram ao "penteado".

"No início eles pensaram que houvesse algum problema comigo", disse ela. "Agora eles adoram."

Independentemente da aprovação da família, parece que cada vez mais mulheres estão usando as máquinas de cortar cabelo para fazer um pronunciamento --de moda ou não.

"Eu realmente notei essa tendência nas ruas recentemente", disse Andrea Donoghue, dona do Laurel, um salão de cabeleireiro no East Village em Nova York. "Acho que é uma consequência do que está acontecendo na moda ultimamente."

Modelos como Ruth Bell, cuja carreira decolou depois que ela raspou a cabeça para uma campanha de Alexander McQueen no ano passado, ajudaram a popularizar o estilo. A alta moda sempre apreciou uma cabeça raspada, mas desta vez até grandes lojas como Zara e Forever 21 adotaram Bell.

"Uma cliente minha veio recentemente com uma foto de Ruth de uma campanha da Zara", lembrou Donoghue.

"Antes era mais punk", disse Tamy Glauser, 31, cujo corte zero de quase dez anos é anterior à sua carreira de modelo. "Hoje as pessoas começam a pensar que talvez uma cabeça raspada seja na verdade chique e elegante. Não é só para os skinheads."

Glauser desfilou para a grife Louis Vuitton nas últimas cinco temporadas, e acredita que a aprovação do estilista Nicolas Ghesquière ajudou a mudar a opinião da indústria da moda sobre as mulheres carecas.

A moda sempre teve um relacionamento simbiótico (alguns dizem parasitário) com a subcultura. Por isso, enquanto o "buzz cut" é mais visível que nunca na comunidade "fashion", a tendência tem inegavelmente suas raízes nas ruas.

Veja a recente edição Futurewise da revista "i-D": uma de suas quatro capas mostra um "buzz cut" na modelo Lina Hoss, mas no interior da revista, que foi imaginada como "um retrato global da juventude, opinião e estilo em 2016", podem-se ver muitos outros nas adolescentes escolhidas na rua pela publicação.

"Individualidade e androginia certamente não são novidade na moda, mas a tendência voltou devido a uma maior conversa entre os gêneros", disse Alastair McKimm, diretor de moda da "i-D".

Conforme a consciência da comunidade transgênero aumenta nos EUA, e a língua inglesa se debate com novos pronomes de gênero, a geração do milênio (às vezes chamada de geração de gênero fluido) está dando mais importância a expressar sua identidade por meio de roupas, maquiagem e, sim, cabelo.

"Uma garota de cabeça raspada é como Jaden Smith usando saia", disse Glauser, referindo-se ao filho do ator Will Smith, que desafia publicamente as normas de gênero por meio da moda. Glauser diz que as pessoas muitas vezes fazem suposições sobre a orientação sexual com base nas aparências. "Mas as duas coisas não têm nada a ver."

"Acho bom que a sociedade veja as pessoas indo contra o que nos ensinaram que é o jeito certo de nos vestirmos para nosso sexo e nossa orientação", disse ela. "Você percebe que não existe certo ou errado."

Mesmo para as mulheres que pegam o cortador de cabelo por motivos completamente não relacionados, a experiência pode levar a percepções sobre as normas de gênero.

"Na primeira vez foi uma decisão impulsiva", disse Mackenzie Jones, 20, que usa a cabeça raspada desde que tinha 15, quando um rompimento amoroso inspirou o ato. "Mas agora, quando olho para trás, acho que o fiz --sem saber na época-- porque era a rejeição definitiva ao olhar masculino."

Além da óbvia conveniência e do apelo estético, disse Jones, ela manteve o estilo careca porque, especialmente quando era mais jovem, ajudava a filtrar os potenciais pretendentes que não estivessem "no meu nível". (Muitos homens apreciam o visual, acrescenta ela.)

Vestir-se para si mesma, e não para ser a bonequinha de alguém, é um tema da moda há várias temporadas, com a ascensão do estilo "athleisure" [lazer atlético] e a crescente importância dada ao conforto pessoal. Não é de surpreender que esses valores tenham passado das roupas para os cabelos.

"As mulheres estão se afastando daquela vibração 'descontraída bonita' que acontecia há tanto tempo e começam a assumir mais riscos", disse Donoghue. "Elas não têm medo de não parecer bonitas."

Antes de dar o mergulho, Donoghue recomenda que as que forem raspar os cabelos pela primeira vez procurem uma opinião profissional em um salão. "Alguns formatos de cabeça são melhores para esse estilo que outros", explicou.

Para as que não têm cabeça com bom desenho, ainda há esperança: Donoghue disse que há ligeiras variações no corte que tendem a ser mais benéficas, como um "dégradé" em que o cabelo "abraça a nuca e a linha do cabelo um pouco mais e depois ganha aos poucos uma forma arredondada".

Cabeça chata ou não, Donoghue diz que só não pode preparar as clientes para a subsequente sensação de exposição... e libertação.

"Muitas mulheres são muito apegadas a seus cabelos", disse Jones. "Quando eu estava em um relacionamento ruim, meu cabelo parecia uma máscara. Agora que não tenho mais, você não tem nada para modificar. Tem de olhar para si mesma e enfrentar a coisa. É realmente uma transformação."

E é por isso que, independentemente de cair na corrente dominante ou não, o "buzz cut" sempre será mais que um simples penteado.

Tradutor: Luiz Roberto Mendes Gonçalves

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos