Informações sobre o álbums
  • editoria:
  • galeria:
  • link: http://noticias.uol.com.br/meio-ambiente/album/2017/01/16/novas-especies-2017.htm
  • totalImagens: 8
  • fotoInicial: 8
  • imagePath:
  • baixaResolucao: 0
  • ordem: ASC
  • legendaPos:
  • timestamp: 20170116161004
    • Notícias [35976]; Novas espécies [64528]; Meio ambiente [11359];
Fotos

9.jan.2016 - Pesquisadores do Instituto de Biociências da Universidade de São Paulo (IB-USP) e do Departamento de Biologia da Universidade Estadual de Maringá (UEM) identificaram uma ameba com formato similar ao do chapéu de um mago como o Gandalf, da série O Senhor dos Anéis. Trata-se de uma tecameba nomeada de Arcella gandalfi em homenagem ao personagem criado pelo escritor J. R. R. Tolkien (1892 ? 1973). A nova espécie de ameba foi descrita em um artigo publicado na revista Acta Protozoologica Jordana C. Féres e Alfredo L. Porfírio Sousa/Fapesp Mais

16.jan.2017 - Cientistas encontraram uma nova espécie de gibão, pequenos primatas que habitam o sul, leste e sudeste da Ásia. A nova espécie é a Gaolingong Montain White-browed, descoberta em Yunnan, na China. Com sobrancelhas brancas, a espécie é morfológica e geneticamente diferente das outras, segundo um estudo publicado no American Journal of Primatology. Com a descoberta, sobem para 20 o número de espécies vivas e reconhecidas do animal Kunming Institute of Zoology under the Chinese Academy of Sciences/ Xinhua Mais

Uma nova espécie de caranguejo descoberta na ilha de Guam, no oceano Pacífico, recebeu o nome de dois personagens da saga Harry Potter. O Harryplax severus pode ser encontrado no fundo de escombros de corais. A espécie faz parte da coleção do pesquisador Harry Conley, morto no início dos anos 2000, que está em estudo por cientistas de diferentes universidades Jose C. E. Mendoza Mais

22.fev.2016 - Quatro novas espécies de rãs noturnas minúsculas, tão pequenas que cabem em uma unha, foram descobertas em uma zona de montanha do sul da Índia. Estas rãs minúsculas medem até 15,4 milímetros de comprimento e vivem na vegetação florestal úmida. A equipe também relatou a descoberta de outras três espécies de rãs noturnas (A, B e C). De acordo com os pesquisadores, a espécie pode não ter sido notada antes pelo seu tamanho e hábitos discretos SD Biju Mais

13.mar.2017 - O grupo de sapos-palhaço aumentou. Os cientistas acreditavam que só duas espécies faziam parte dos sapos-palhaços, anfíbios com cores vibrantes e um padrão brilhante. Porém, estudando os animais da América do Sul encontraram mais duas espécies, a Dendropsophus arndti (na foto), que mede 30 milímetros e vive na Bolívia, e a Dendropsophus vraemi, com 26,5 milímetros que só foi encontrada na bacia Amazônia peruana. De acordo com a pesquisa publicada na PLOS, os sapos-palhaços devem ter nove espécies distintas Senckenberg Research Institute and Natural History Museum/Martin Jansen Mais

14.mar.2016 - Pesquisadores brasileiros e argentinos do Museu de Ciências Naturais Bernardino Rivadavia, em Buenos Aires, encontraram a primeira rã fluorescente do mundo. A fluorescência é a capacidade de absorver luz em comprimentos de onda curtos e reemiti-los em comprimentos de onda mais longos, comum no mar e incomum em criaturas terrestres. Essa característica nunca havia sido documentada em um anfíbio. A razão dessa capacidade animal não é clara, as explicações incluem comunicação, camuflagem e atração de parceiros. O animal que tem cerca 3 centímetros pode ser encontrado em árvores por toda a bacia amazônica Reprodução/Pnas/Carlos Taboada Mais

Encontrado na costa do Panamá, o 'Synalpheus pinkfloydi', que gera estalo mais alto que um tiro com sua garra rosa, foi identificado por grupo de cientistas britânicos, brasileiros e americanos. Uma nova espécie de camarão marinho foi batizada em homenagem à banda Pink Floyd graças a um pacto entre cientistas que o descobriram, que são fãs de rock. O Synalpheus pinkfloydi usa sua grande garra para gerar um barulho tão alto que é capaz de matar peixes pequenos BBC Mais

29.mai.2017 - Uma nova espécie de perereca-de-vidro, anuro do gênero Hyalinobatrachium, foi descoberta recentemente nas terras amazônicas do Equador. Batizada de Hyalinobatrachium yaku, o anfíbio, assim como outros membros da família Centrolenidae, tem como característica marcante a pele translúcida, que faz com que seja possível ver suas veias e órgãos internos. A nova espécie difere-se de parentes próximas por possuir pequenas manchas verdes-escuras no dorso e na cabeça e por seu canto tonal, que tem diferente duração e vibração em relação a outras espécies. Os machos da espécie, também, cuidam dos ovos da fêmea, algo incomum entre os anuros ZooKeys Mais

Novas espécies 2017

Mais álbuns de Ciência e Saúde x

Últimos álbuns de Meio Ambiente

UOL Cursos Online

Todos os cursos