Sinais químicos nas lágrimas femininas diminuem excitação sexual

Pam Belluck

  • Shutterstock

    Pesquisa sugere "um novo papel funcional para o choro"

    Pesquisa sugere "um novo papel funcional para o choro"

Quando choramos, podemos estar fazendo mais do que simplesmente expressar nossas emoções. Nossas lágrimas, de acordo com uma nova pesquisa surpreendente, podem estar enviando sinais químicos que influenciam o comportamento das outras pessoas.

A pesquisa, publicada na quinta-feira na revista “Science”, pode começar a explicar algo que deixa os cientistas perplexos há gerações: por que os humanos, aparentemente de um jeito diferente de qualquer outra espécie, choram por motivos emocionais?

Em vários experimentos, os pesquisadores descobriram que os homens que sentiam o cheiro das lágrimas emocionais de uma mulher se tornavam menos excitados sexualmente do que quando cheiravam uma solução salina neutra que escorria pelo rosto das mulheres. Embora os estudos não tenham sido extensos, as descobertas apareceram sob várias formas, inclusive nos níveis de testosterona, nas respostas da pele, na imagem cerebral e nas descrições que os homens fizeram sobre sua excitação.

“Os sinais químicos são uma forma de linguagem”, diz um dos pesquisadores, Noam Sobel, professor de neurobiologia no Instituto Weizmann em Israel. “Basicamente o que descobrimos foi o sinalizador químico para a palavra 'não' – ou pelo menos 'não agora'.”

Os pesquisadores estão estudando atualmente o choro emocional nos homens, então as implicações das lágrimas do novo porta-voz da Câmara, John A. Boehner, por exemplo, ainda são uma questão em aberto. Mas Sobel disse acreditar que o choro do homem também deve transmitir sinais químicos, talvez servindo para reduzir a agressividade nos outros homens.

Sobel disse que os pesquisadores começaram com as mulheres porque quando pediram “voluntários que pudessem chorar com facilidade”, não encontraram homens que tivessem o “choro fácil” e pudessem preencher os vidros de coleta facilmente. Felizmente, diz ele, “agora temos um homem que chora.”

Vários especialistas disseram que as descobertas – embora possam acrescentar significado às músicas chorosas ao longo das décadas, desde Roy Orbison aos Rolling Stones – podem ser um primeiro passo na direção de uma grande revelação nesse assunto misterioso.

A descoberta de um sinal químico nas lágrimas sugere “um novo papel funcional para o choro”, diz Martha K. McClintock, professora de psicologia na Universidade de Chicago que é conhecida por seu trabalho sobre os feromônios e o comportamento. “Isso de fato amplia as possibilidades de origem dos sinais.”

Robert R. Provine, psicólogo e neurocientista na Universidade de Maryland, Baltimore County, que estudou o choro, disse que a descoberta era “verdadeiramente importante” porque “o choro emocional é um desenvolvimento evolucionário muito importante nos humanos enquanto espécie social”, e que isso “possa ser uma evidência de outro feromônio humano.”

Mas o motivo pelo qual o choro das mulheres enviaria uma mensagem de “hoje à noite não, querido”, é intrigante. Alguns especialistas sugerem que as lágrimas evoluíram para reduzir a agressividade dos homens em relação às mulheres que estão fragilizadas pelo estresse emocional. Os estudos não medem o efeito sobre a agressividade, embora as próximas pesquisas possam fazê-lo, diz Sobel.

Outra ideia, diz ele, é que o efeito das lágrimas evoluiu em parte para coincidir com os ciclos menstruais. “Há várias linhas de evidências de que as mulheres choram muito mais durante a menstruação, e do ponto de vista biológico este não é um período muito eficiente para fazer sexo, então reduzir a excitação sexual no parceiro nessa época é muito conveniente”, diz ele.

McClintock, que há 40 anos reportou que as mulheres que vivem juntas tendem a sincronizar seus períodos menstruais, rejeitou essa teoria.

“Ah, por favor”, disse ela. “Nós sabemos que as mulheres choram mais durante a menstruação?”

Ela disse que era “prematura especular sobre a função evolucionária” dos sinais químicos das lágrimas, acrescentando: “não tenho dúvidas de que elas afetam a sexualidade como foi relatado, mas eu ficaria muito surpresa se a pesquisa não revelar que elas afetam outras emoções em outros contextos. Talvez elas afetem algum processo psicológico mais fundamental e profundo que leva ao efeito que eles estão relatando.”

Os pesquisadores acidentalmente descobriram que as lágrimas das mulheres fazem com que os homens se sintam como se tivessem tomado uma ducha de água fria. Eles assumiram que os sinais químicos das lágrimas desencadearia a tristeza ou a empatia nos outros. Mas os experimentos iniciais descobriram que sentir o cheiro das lágrimas das mulheres não afeta o humor ou a empatia dos homens, mas “tinha uma influência pronunciada sobre a excitação sexual, uma surpresa”, disse Sobel.

Decidindo investigar mais rigorosamente, os pesquisadores enviaram folhetos para vários campi de faculdades de Israel buscando pessoas que choravam com facilidade. Setenta mulheres se voluntariaram, junto com um homem. Mas das 70 mulheres, havia apenas seis que “eram muito boas” em se debulhar em lágrimas, disse Sobel. Elas se tornaram o “banco de carpideiras” dos pesquisadores; uma série de “carpideiras substitutas” ficou na reserva.

“Temos de usar lágrimas frescas”, com menos de duas horas após a coleta, diz Sobel, então as voluntárias eram chamadas com frequência para chorar mais, um mililitro cada vez. As mulheres, que tinham entre vinte e poucos e trinta e poucos anos, assistiram cenas de filmes hollywoodianos como “Uma Prova de Amor” e “Quando um Homem Ama uma Mulher” e de um filme israelita, “Broken Wings”, disse Yaara Yeshurun, estudante de medicina da equipe.

Yeshurun também estava entre as voluntárias, e chorou com “Laços de Ternura”.

Como controle, os pesquisadores derramaram solução salina no rosto das mulheres e também a coletaram em vidros. As lágrimas e solução salina eram derramadas em um material absorvente que depois era fixado sob as narinas dos homens para aproximar a sensação de um abraço com uma mulher em prantos. Os homens, com quase trinta anos, sentiram o cheiro das lágrimas num dia e da solução salina no outro, sem saber qual era qual.

Em um experimento, sentir o cheiro de lágrimas aumentou as chances de os homens classificarem as mulheres que viam em fotos como menos atraentes. Em outro, para estabelecer um contexto de tristeza, os homens assistiram a uma cena do filme “O Campeão” depois de inalar lágrimas ou solução salina. Os homens ficaram igualmente tristes com as lágrimas e a solução salina, mas aqueles que sentiram o cheiro das lágrimas mostraram menos excitação sexual e níveis mais baixos de testosterona.

Por fim, os pesquisadores usaram as imagens do cérebro. Eles mostraram aos homens cenas do filme “9 ½ Semanas de Amor” - especificamente da versão mais explícita que foi exibida na Europa, que, segundo Sobel, “foi provado ser especialmente excitante”. Ressonâncias magnéticas funcionais identificaram a excitação dos homens em áreas específicas do cérebro. Então eles sentiram o cheiro de lágrimas ou de solução salina e assistiram a filmes tristes. Os que haviam cheirado lágrimas mostraram menos atividades nas regiões cerebrais que mostravam excitação.

Os estudos foram financiados pela Fundação Minerva, um grupo sediado na Alemanha que apoia pesquisas envolvendo cientistas israelenses e alemães, em geral com dinheiro do governo alemão.

Ainda existem muitas questões, incluindo se os resultados podem ser replicados por outros cientistas, qual substância deve estar presente no sinal químico e se ele é percebido pelo nariz ou de outra forma.

Sobel, que também planeja estudar as lágrimas das crianças, disse que a substância pode ser uma proteína ou um esteróide, e é mais provável que seja percebida pelo nariz. Ele também se pergunta se as lágrimas de animais podem ter efeitos de sinalização química; e citou um estudo que mostra que quando os ratos-toupeira cegos lavam seus rostos com lágrimas, isso reduz a agressividade em outros machos.

William H. Frey II, bioquímico que provou que a composição química das lágrimas emocionais é diferente da das lágrimas de reflexo, por exemplo ao cortar cebola, diz que ele “estava morrendo de curiosidade de ver alguém fazer algum trabalho sobre a química do choro emocional”. Ele disse que os resultados podem ser compatíveis com sua teoria de que chorar elimina toxinas relacionadas ao estresse.

Mas Frey, diretor do Centro de Pesquisa sobre Alzheimer no Regions Hospital em St. Paul, Minnesota, disse que é preciso entender mais coisas, inclusive por que diminui a excitação sexual. A evolução deve favorecer menos assertividade sexual para com um parceiro que chora, diz ele, mas se as lágrimas de uma mulher são provocadas por um ataque, “será que um marido com menos testosterona ficará mais ou menos agressivo ao defender sua família?”

Ainda assim, Provine diz que as descobertas foram “coerentes com os outros papéis propostos para as lágrimas, incluindo a solicitação de cuidado e a redução da agressão”. Ele acrescentou: “o fato de que o choro é desestimulante sexualmente não deve ser uma surpresa para a maioria dos homens. Não consigo pensar em nada que eu gostaria menos de fazer do que ir encontrar uma chorona ou um chorão.”

Sobel disse que qualquer que seja a origem evolucionária do choro emocional, ele não está afirmando que suas descobertas têm modernas aplicações românticas.

“Eu não recomendaria a qualquer mulher que chore para mandar uma mensagem”, diz ele. “Seria bem melhor simplesmente dizer não.”

Tradução: Eloise De Vylder

UOL Cursos Online

Todos os cursos