PUBLICIDADE
Topo

Projeto de lei dá sobrevida às bancas de jornal em SP

José Antonio Mantovani da Silva

Especial para o UOL

12/03/2014 09h05

As novas tecnologias que fizeram migrar muitos leitores do produto impresso para o texto digital minaram pouco a pouco o fluxo do comércio nas bancas de jornal. As vendas caíram de forma abrupta e muitos consumidores que buscavam entretenimento e informações em jornais, revistas, almanaques, gibis, entre outros produtos, passaram a utilizar a rede de computadores para isso.

Diante dessa realidade, os jornaleiros, junto com as entidades de classe, buscaram alternativas para viabilizar sua atividade. Com o projeto de lei 432/2013, aprovado recentemente, as bancas passaram a incorporar mais produtos e serviços. Com isso, a lei municipal (10.072/1986), que regula a atividade, foi acrescida pelo PL 432, que agora permite a venda de uma série de produtos com o objetivo de trazer de volta os clientes perdidos. Essa regulamentação foi fundamental para a sobrevivência do comércio das bancas.

Queda nas vendas

Novas tecnologias, que fizeram o leitor migrar do produto impresso para o digital, minaram o fluxo das bancas de jornal

Num passado não muito distante, a figura do jornaleiro, que vendia figurinhas para os famosos álbuns de colecionadores, ainda está na memória de muitos meninos de outrora. Nessa época também muitos procuravam as bancas de revistas para informações sobre o que acontecia no país durante o governo militar. Leitores ávidos por reportagens, editoriais e matérias que eram censuradas. Até a atividade do jornaleiro ficou difícil, pois neste período algumas bancas foram incendiadas.

Nas décadas seguintes o panorama mudou e os anos 1980 e 1990 marcaram o auge do comércio impresso de jornais e revistas. Um período glorioso para os comerciantes e empresas de comunicação. Os números eram superlativos neste período . No auge do comércio nas bancas, o jornal Folha de S.Paulo atingiu uma tiragem recorde de mais de 1 milhão de exemplares. A revista Playboy também marcou época com as capas de Adriane Galisteu, Tiazinha e Feiticeira.

O PL 432/2013 permite ao jornaleiro continuar exercendo sua profissão dignamente e o cidadão de São Paulo reconhece a nossa importância. Facilitamos a vida na metrópole, prestando vários serviços, como recarga de celular, vendas de água e de bilhetes de ônibus e metrô. Damos informações, e muitas vezes as bancas servem de guarida de segurança aos pedestres com medo de serem assaltados.

As bancas são um patrimônio da cidade de São Paulo. Desde o antigo jornaleiro, que vendia seu produto na rua, até os dias de hoje com uma estrutura mais ampla e segura, esse segmento sempre foi e continua sendo um verdadeiro polo de informação. Além disso, é um dos comércios mais democráticos que existe. Nela entra o rico e o filho do rico e nesse mesmo estabelecimento entra o pobre e o filho do pobre e ambos irão encontrar algo interessante que caiba em seus respectivos bolsos. Isso é fantástico! É democrático!

Está presente nas grandes metrópoles: Nova York, Paris, Roma, Tóquio, Madri, Barcelona, entre outras. Retratadas e imortalizadas no cinema e na música. Caetano Veloso também faz sua homenagem quando lança o movimento Tropicalista: “o sol nas bancas de revista me enchem de alegria e preguiça...”.

Vida longa às bancas de jornal!

  • O texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL
  • Para enviar seu artigo, escreva para uolopiniao@uol.com.br