Topo

Defesa nega que suposto hacker preso tenha invadido celular de Bolsonaro

Eduardo Militão

Do UOL, em Brasília

27/07/2019 14h37

Ronei Ricardo Faria, advogado do suspeito de hackear o celular do ministro da Justiça, Sergio Moro, disse hoje ao UOL que o telefone do presidente Jair Bolsonaro (PSL) não sofreu um ataque praticado por seus clientes. "Isso é falso", disse o defensor de Walter Delgatti Neto.

Moro anunciou esta semana que Bolsonaro foi hackeado pelo grupo preso pela Policia Federal esta semana na Operação Spoofing.

De acordo com o advogado de Delgatti, "fake news" na internet estão atribuindo a ele o ataque ao celular de mais duas autoridades, o que também seria inverídico. Faria se negou a dizer quais seriam essas duas pessoas.

Ele contou que o cliente tem colaborado com as investigações da PF para obter uma futura redução de pena. Mas negou que se trata de um acordo de colaboração premiada.

Em seu primeiro depoimento, Delgatti confessou que atacou o telefone celular do procurador da Lava Jato, Deltan Dallagnol, mas negou ter atuado contra o ministro da Economia, Paulo Guedes, e a deputada Joice Hasselman (PSL-SP). Ele entregou à PF a senha da nuvem de arquivos Dropbox, em que estariam armazenadas as mensagens do telefone do procurador.

Faria se negou a revelar o conteúdo do segundo depoimento, prestado ontem. "Nossa preocupação é colaborar com as investigações", afirmou o advogado. Ele disse ainda que o próximo depoimento de Delgatti, que permanece preso na Superintendência da PF em Brasília, deve ocorrer na semana que vem.

Mais Política