PUBLICIDADE
Topo

Fala sobre AI-5 é inoportuna e traz mais problemas a Bolsonaro, diz Olimpio

Major Olimpio (PSL-SP) durante entrevista exclusiva ao UOL - 18.jan.2019 - Simon Plestenjak/UOL
Major Olimpio (PSL-SP) durante entrevista exclusiva ao UOL Imagem: 18.jan.2019 - Simon Plestenjak/UOL

Luís Adorno

Do UOL, em São Paulo

31/10/2019 14h02Atualizada em 31/10/2019 15h29

O senador Major Olimpio (PSL-SP) repudiou hoje a declaração do deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) em que afirmou que, se a esquerda brasileira radicalizar, uma resposta pode ser "via um novo AI-5". Apesar da crise entre Jair Bolsonaro e o PSL, o senador continua ao lado do presidente.

Em entrevista ao UOL, Major Olimpio disse que "até parece que o presidente não tem problemas". "Neste momento que vivemos, ele [Eduardo Bolsonaro] conseguiu criar mais um problema para o pai. Duvido que ele tenha lido o conteúdo do AI-5", afirmou o senador.

O AI-5 (Ato Institucional número 5), marco do período mais duro da ditadura militar brasileira, foi editado em 13 de dezembro de 1968, no governo do marechal Costa e Silva, e deixou um saldo de cassações, direitos políticos suspensos, demissões e aposentadorias compulsórias.

O mais radical decreto do regime também abriu caminho para o recrudescimento da repressão, com mortes e desaparecimentos de militantes da esquerda armada.

Em entrevista à jornalista Leda Nagle, divulgada no YouTube, Eduardo Bolsonaro afirmou:

Se a esquerda radicalizar a esse ponto, a gente vai precisar ter uma resposta. E uma resposta pode ser via um novo AI-5, pode ser via uma legislação aprovada através de um plebiscito como ocorreu na Itália. Alguma resposta vai ter que ser dada.
Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), deputado federal

Major Olimpio afirmou que o depoimento de Eduardo Bolsonaro é "triste, inoportuno, descabido, lamentável e que, enfim, não agrega nada".

"O AI-5 determina a supressão de direitos, impedimento de ação dos poderes e instituições. E é tudo o que não queremos nesse momento. Queremos as forças públicas independentes", disse.

"Lógico que o poder público tem que se colocar para manter o equilíbrio da sociedade. Se houver uma manifestação de quebra da ordem, existe uma gradação sobre o uso de meios e do uso da força. Depende de conhecimento, planejamento, técnica. Por isso, você tem tropa de choque nas polícias militares, GLO (Garantia da Lei e da Ordem) quando os governadores solicitam", complementou o senador.

Ainda de acordo com Major Olimpio, o que Eduardo fez foi "mais bravatear do que qualquer outra coisa" e que um posicionamento como esse seria natural de ser dito por alguém da esquerda, para atingir negativamente Jair Bolsonaro.

Política