PUBLICIDADE
Topo

Política

Belo Horizonte: Vaza áudio de Kalil em CPI e vereadores avaliam impeachment

Alexandre Kalil, prefeito de Belo Horizonte - Rodrigo Clemente/Prefeitura de Belo Horizonte
Alexandre Kalil, prefeito de Belo Horizonte Imagem: Rodrigo Clemente/Prefeitura de Belo Horizonte

Colaboração para o UOL

21/10/2021 18h58Atualizada em 21/10/2021 20h02

Durante a sessão desta quinta-feira (21) da CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito) da Covid, na Câmara Municipal de Belo Horizonte, foram divulgados áudios do prefeito Alexandre Kalil (PSD) em que ele teria dito que empresários ligados às empresas de ônibus da cidade pagariam para a contratação da defesa do ex-presidente da BHTrans, Célio Bouzada.

Logo depois, vereadores se reuniram na Casa para falar sobre o ocorrido e a possibilidade de impeachment de Kalil passou a ser discutida.

Alberto Lage, ex-chefe de gabinete do prefeito, foi quem mostrou os áudios durante uma acareação com Bouzada na CPI da Covid, que aconteceu na Câmara Municipal. Segundo Lage, Hermes Vilchez Guerrero seria pago por empresários de ônibus para fazer a defesa de Bouzada.

Em uma das gravações, Kalil teria dito que pagariam R$ 1 milhão na contratação de advogados. "O que você ganha se você for lá e esculachar o [inintelegível]? Você foi mal assessorado, não gosta, não sei o que. Vai chegar para ele: vem cá amigo, vem cá no tribunal e fala como você foi mal assessorado. E o cara tá preparando uma peça dessa, desse tamanho, para pagar R$ 1 milhão para advogado. Que deve ser o Joel, o c..., o Marcelo. Como chama aqueles irmãos que mexem com Lessa, entendeu? Eles rateiam lá, dá cem mil para cada um", diz.

Durante entrevista coletiva concedida nesta quinta-feira, Kalil disse que o áudio é "clandestino, irregular e criminoso", além de estar "distorcido''.

"Hoje a CPI apresentou um áudio clandestino, irregular e criminoso, que não pode ser divulgado. O problema do áudio é que ele é distorcido, e quando for transcrito na Justiça, como será, todos vão ver que eu disse que eu achava que podia ser, ou não ser, que um advogado do nível do doutor Hermes Guerrero poderia estar sendo financiado por alguém, como está transcrito claramente no áudio, de uma conversa particular com quem eu achava que era de confiança."

Também em coletiva de imprensa, a presidente da Câmara Municipal de Belo Horizonte, Nely Aquino (Podemos), afirmou que "a Câmara Municipal de Belo Horizonte aguarda a apreciação dos relatórios de ambas as CPIs para, a partir daí, tomar as medidas que entender necessárias".

Política