PUBLICIDADE
Topo

Política

Conteúdo publicado há
6 meses

Deputado do PL diz que estado de SP é maior entrave à filiação de Bolsonaro

Deputado federal Capitão Augusto (PL-SP) comentou a possível filiação de Bolsonaro ao partido - Luis Macedo/Câmara dos Deputados
Deputado federal Capitão Augusto (PL-SP) comentou a possível filiação de Bolsonaro ao partido Imagem: Luis Macedo/Câmara dos Deputados

Do UOL, em São Paulo

22/11/2021 07h49Atualizada em 22/11/2021 08h14

O deputado federal Capitão Augusto (PL-SP) declarou que o estado de São Paulo pode ser um problema para o crescimento do partido em Brasília e, consequentemente, postergar ainda mais a ida do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) para a sigla de Valdemar Costa Neto. A filiação de Bolsonaro ao PL chegou a ser marcada para a data de hoje, mas foi cancelada.

"O Estado de São Paulo é talvez seja o maior problema, devido ao seu maior colégio eleitoral e devido ao PL ainda fazer parte do governo e caminhava para uma candidatura natural do atual vice, o Rodrigo Garcia. Com a vinda do presidente Bolsonaro, isso tem que ser revisto. O presidente tem toda razão, ele precisa de alguém que dê o palanque para ele, que trabalhe divulgando o nome dele", declarou à rádio Jovem Pan. Ontem, o PSDB anunciou a candidatura de Garcia ao governo do estado de São Paulo.

Capitão Augusto explicou que, pelos cálculos do PL, a sigla deve conseguir ao menos 60 parlamentares na Câmara dos Deputados com a entrada do presidente na legenda. É provável que apoiadores de Bolsonaro façam a mudança de sigla após a decisão do presidente.

"É uma estimativa bastante realista. Não é uma previsão otimista, é o que consideramos que é possível atingir. Isso fará do Partido Liberal o maior do Brasil, porque dificilmente qualquer outro partido vai conseguir eleger mais de 60 deputados federais", comentou.

Segundo o deputado, em entrevista à rádio Jovem Pan, Bolsonaro tem algumas exigências para se filiar ao partido, entre elas, que os políticos eleitos na sigla façam campanha eleitoral para ele. O chefe do Executivo deve se candidatar à reeleição em 2022.

O que ele [Bolsonaro] quer é um palanque, em cada estado, de algum candidato das majoritárias, seja governador ou senador, fazendo campanha para ele como presidente. Isso que está sendo ajustado agora.
Deputado federal Capitão Augusto em entrevista à rádio Jovem Pan

Para o parlamentar, o ministro da Infraestrutura, Tarcísio Gomes de Freitas, é um bom nome para concorrer ao governo do estado de São Paulo, no entanto, a chance maior é que ele concorra ao Senado Federal.

"O trabalho dele [Tarcísio Gomes de Freitas] como ministro é tão bom que ele pode se dar ao luxo de escolher estado que queira sair candidato, que será o favorito. Torço muito para que ele venha como candidato a governador em São Paulo."

Debandada no partido

Na opinião do deputado, a chegada de Bolsonaro no partido não provocará a saída em massa de políticos da sigla.

Em entrevista ao colunista do UOL Chico Alves, o vice-presidente da Câmara, Marcelo Ramos (PL-AM), afirmou que aguarda o fim das tratativas de Bolsonaro com o PL para decidir se saíra do partido.

"Debandada não. Obviamente que não é possível agradar a todos. O próprio Marcelo Ramos acredito que não vai sair do partido. O partido que possibilitou ele ser eleito deputado federal e já assumir um cargo importante da Câmara, como vice-presidente. O máximo que ele pode fazer, no material de campanha dele, é não querer divulgar a candidatura do presidente Bolsonaro."

Política