Topo

Após ser considerado foragido, presidente do Solidariedade se entrega à PF

Eurípedes Júnior, ex-presidente do PROS Imagem: Arquivo Pessoal

Do UOL, no Rio e em Brasília

15/06/2024 13h06Atualizada em 15/06/2024 15h56

O presidente do Solidariedade, Eurípedes Gomes Júnior, se apresentou na superintendência da Polícia Federal, em Brasília, na tarde deste sábado (15). Ele havia sido incluído na lista de difusão vermelha da Interpol.

O que aconteceu

Eurípedes era considerado foragido pela Polícia Federal. Ele foi alvo de uma operação da PF contra uma suposta organização criminosa responsável por desviar recursos do fundo partidário e eleitoral nas eleições de 2022. Os valores seriam destinados ao extinto partido Pros, que foi incorporado ao Solidariedade.

Relacionadas

O presidente do Solidariedade ficará na sede da PF aguardando vaga no sistema prisional. A informação foi confirmada ao UOL pela assessoria da PF.

Há dois dias ele havia sido incluído na lista vermelha da Interpol. A ação funciona como um alerta e permite a prisão do foragido em um país estrangeiro.

Outros presos. Três pessoas suspeitas de envolvimento foram presas na operação realizada na quarta-feira. Os agentes cumpriram sete mandados de prisão e 45 de busca e apreensão em Goiás, São Paulo e no Distrito Federal.

Desvio de R$ 36 milhões é investigado, segundo a PF. A apuração teve início a partir de denúncia de um presidente do partido, cujo nome não foi divulgado pela corporação.

A operação foi batizada de Fundo do Poço. A Justiça Eleitoral do DF determinou o bloqueio e indisponibilidade de R$ 36 milhões e o sequestro judicial de 33 imóveis do grupo investigado.

Investigação apontou organização criminosa "estruturalmente ordenada", informou a PF. O objetivo era desviar e se apropriar de recursos do Fundo Partidário e Eleitoral, usando candidaturas laranjas, superfaturamento de serviços de consultoria jurídica e desvios de recursos partidários destinadas à Fundação de Ordem Social, fundação do partido.

Defesa diz que Eurípedes vai provar inocência

'Total inocência'. A defesa de Eurípedes diz que ele "demonstrará perante a Justiça não só a insubsistência dos motivos que propiciaram a sua prisão preventiva, mas ainda a sua total inocência em face dos fatos que estão sendo apurados nos autos do inquérito policial em que foi determinada a sua prisão preventiva".

Licenciado e que se entregou de forma voluntária. Em nota, os advogados disseram ainda que, "após ter se licenciado do exercício das suas funções de dirigente partidário, Eurípedes Gomes Macedo Júnior, voluntariamente, apresentou-se à Polícia Federal do Distrito Federal, para permitir o cumprimento do mandado de prisão preventiva expedido em seu desfavor".

Paulinho da Força volta a assumir o partido

Vice-presidente assume o posto. Com o pedido de licença de Eurípedes do comando do Solidariedade, o partido informou que o deputado Paulo Pereira do Silva, conhecido como Paulinho da Força, assumirá a presidência nacional do Solidariedade.

Licença por período indeterminado. 'Comunicamos que o presidente nacional do Solidariedade, o senhor Eurípedes Gomes de Macedo Júnior, no dia 14 de junho, solicitou licença por prazo indeterminado da presidência do partido.

Essa solicitação é compatível com o estatuto partidário, dessa maneira, a secretaria geral do Solidariedade tomará todas as providências necessárias e cabíveis para o seu imediato atendimento, tendo em vista a regular continuidade do exercício da direção partidária. Nota do Solidariedade

Quem é Eurípedes

Eurípedes tem 49 anos e foi eleito vereador pelo antigo PSL, em 2008, no município de Planaltina de Goiás. Mais tarde, em 2014, foi candidato a deputado federal e ficou com a cadeira de suplente — com quase 73 mil votos.

O político fundou também o Pros em 2013. Antes de ser incorporado ao Solidariedade, o partido viveu uma disputa pelo comando — Eurípedes chegou a ser destituído da presidência da sigla e foi suspenso em 2020.

Ele retomou ao cargo em agosto de 2022 após decisão do TSE (Tribunal Superior Eleitoral). Nesse período, foi acusado de desviar recursos dos fundos eleitoral e partidário, além de lavagem de dinheiro. O Pros foi incorporado ao Solidariedade em fevereiro de 2023.

Comunicar erro

Comunique à Redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Após ser considerado foragido, presidente do Solidariedade se entrega à PF - UOL

Obs: Link e título da página são enviados automaticamente ao UOL

Ao prosseguir você concorda com nossa Política de Privacidade


Política