Pessoas saudáveis com morte cerebral podem doar órgãos; saiba como funciona

Fernando Cymbaluk

Do UOL, em São Paulo

A família da ex-primeira-dama e mulher de Luiz Inácio Lula da Silva, Marisa Letícia Lula da Silva, 66, autorizou o procedimento de doação de órgãos após constatação de morte cerebral. Os médicos verificaram a parada total das funções cerebrais da paciente, um quadro que é irreversível

O ato da família poderá ajudar quem está na fila de doação de órgãos, esperando por um transplante. No Brasil, existem mais de 40 mil pessoas cadastradas na lista do SUS (Sistema Único de Saúde) para receber órgãos. A princípio, qualquer pessoa que tenha tido a morte encefálica confirmada pode se tornar doadora. Doenças crônicas e infecções podem comprometer a doação.

Leonardo Soares/ Xinhua/ Agência Estado
A ex-primeira-dama Marisa Letícia teve morte encefálica

Contudo, apenas metade das famílias de pacientes com morte encefálica permite a retirada de órgãos para doação. O número de transplantes realizados é bem menor que o de pacientes que estão à espera de um órgão. Em 2016, foram realizadas no Brasil 23.666 transplantes, a maioria (95%) pelo SUS. A recusa de doação de órgãos por famílias dobrou em sete anos.

A falta de conscientização da população sobre as etapas e a importância da doação, o déficit de preparo de equipes médicas para lidar com a situação e a precariedade da saúde pública são algumas das causas do baixo número de doadores, de acordo com Maria Lúcia Sadala, professora da Faculdade de Medicina da Unesp e pesquisadora do tema. "É uma realidade complexa", afirma. 

Segundo o Ministério da Saúde, pelo menos 41.525 pessoas aguardam na fila por um transplante de órgãos. A espera maior é por um transplante de rins, com cerca de 25.623 pessoas. Cerca de 350 pessoas aguardam por um novo coração. 
 
Em 2016 foram realizados mais de 24 mil transplantes. Pelo menos 5.326 pessoas saíram da lista de espera e receberam um novo rim.
 

Veja quais são as seis etapas da doação

iStock
iStock

1 - Morte cerebral é diagnosticada

A morte cerebral é causada por traumatismos cranianos ou acidentes vasculares, como o sofrido por Marisa Letícia. Ela é diagnosticada a partir de testes como o eletroencefalograma e a angiografia cerebral. De acordo com Sadala, a família precisa ser esclarecida sobre todos os passos do diagnóstico de morte encefálica assim que é dado início aos protocolos de confirmação. Dois testes são realizados, com intervalo de seis horas entre eles. A falência do cérebro não impede que o coração continue batendo. Por isso, os órgãos são preservados e podem ser doados.
Getty Images
Getty Images

2 - Família autoriza a doação

Apenas a família do paciente que teve morte encefálica pode autorizar a doação de órgãos. Caso haja concordância, um documento autorizando a cirugia é assinado. No Brasil, é baixo o número de famílias que autorizam a doação - cerca de metade das famílias de potenciais doadores, segundo o Ministério da Saúde. Por isso, quem quer ser um doador de órgãos precisa deixar claro esse desejo conversando com a família ainda em vida. A decidão pela doação de órgãos ocorre em um momento de dor, o que exige grande sensibilidade por parte da equipe médica, lembra Sadala.
Reprodução/IFLScience
Reprodução/IFLScience

3 - Histórico clínico do doador é verificado

Antes da doação ocorrer, é necessário conhecer o histórico clínico do doador. Para isso, a família responde a um questionário elaborado pelos médicos. É importante verificar a existência de possíveis doenças que possam ser transmitidas ao receptor. Doenças crônicas, diabetes e infecções podem comprometer os órgãos e inviabilizar o transplante. Os médicos também realizam testes biológicos e físicos que servem para indicar a possível compatibilidade com pacientes que estão na fila do transplante.
Getty Images
Getty Images

4 - Órgãos são retirados; começa corrrida contra o tempo

Passadas todas as etapas anteriores, começa uma corrida contra o tempo para a retirada de órgãos e preservação deles durante o transporte. Os primeiros a serem doados são aqueles que duram menos tempo fora do corpo, como o coração e o pulmão (entre 4h e 6h). As córneas (até 7 dias) e os ossos (até 5 anos) são os que duram mais. Os dados do doador são cruzados com o dos potenciais receptores através de um sistema que integra 27 centros de notificação. O candidato ideal pode ser encontrado em qualquer parte do país. Mas a urgência e tempo de espera contam bastante nessa hora.
Getty Images
Getty Images

5 - Transporte é feito com auxílio voluntário de cias aéreas

O Ministério da Saúde possui um acordo de cooperação com companhias aéreas que possibilita o transporte aéreo de tecidos e órgãos gratuitamente em voos comerciais. De acordo com a pasta, mais de mil órgãos e mais de dois mil tecidos para transplantes são transladados entre diferentes Estados. Os órgãos e tecidos também podem ser transportados por terra. As Centrais Estaduais de Transplantes se responsabilizam pelo transporte nesse caso. Recentemente, o presidente Michel Temer determinou que a FAB (Força Aérea Brasileira) forneça apoio, quando necessário.
Getty Images
Getty Images

6 - Transplante é realizado; receptor passa por recuperação

Assim que o órgão chega ao seu destino, o receptor já aguarda para o transplante. O pós-operatório é semelhante ao de outras cirurgias. O sucesso, contudo, depende das condições do órgão e do estado de saúde do paciente. Para evitar a rejeição do corpo ao novo órgão, é necessário tomar remédios imunossupressores pelo resto da vida. Segundo o Ministério da Saúde, a sobrevida dos pacientes depois de cinco anos da cirurgia é de 60% nos casos de transplante de fígado e pulmão, 70% para cirurgias de coração e 80% para os transplantes de rim. Em geral, as famílias não sabem para quem vai os órgãos de seus parentes.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Newsletter UOL

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos