Varíola, cólera, peste... Doenças que assolaram a humanidade podem voltar?

Do UOL, em São Paulo

  • AP/National Museum of Health and Medicine

    Foto de 1918 mostra vítimas da gripe espanhola sendo atendidas nos EUA

    Foto de 1918 mostra vítimas da gripe espanhola sendo atendidas nos EUA

Peste negra. Varíola. Tuberculose. Gripe espanhola. Só o nome destas doenças já causa arrepios e remete a momentos da história em que fomos derrotados pelas epidemias. Elas causaram milhões de mortes, mas hoje estão controladas ou extintas. Mas será que podem voltar?

Recentemente, cientistas russos fizeram um alerta: as mudanças climáticas estão derretendo uma camada de gelo na Sibéria que contém vírus nocivos, como a varíola, guardados ali há milênios. O temor surgiu depois que uma criança morreu e outras 23 pessoas foram contaminadas no norte do país por antraz, uma bactéria que estava desaparecida fazia 75 anos.

Para os pesquisadores, o ressurgimento da infecção aconteceu provavelmente porque um cadáver de rena morta por antraz há décadas foi descongelado na região.

O médico sanitarista Rodolpho Telarolli, da Faculdade de Ciências Farmacêuticas da Unesp (Universidade Estadual Paulista), diz que a OMS (Organização Mundial de Saúde) pode avaliar melhor o risco dessas doenças voltar, mas defende que hoje existem técnicas mais eficazes para combater a varíola, por exemplo.

Para ele, muito mais perigoso é um novo vírus nascer:

Em termos de letalidade, uma nova doença, como ebola e zika, é pior. A ciência já sabe tudo sobre as velhas. Se for para acontecer algo ruim, seria uma nova doença

Além disso, temos muitas doenças "vivas", como a gripe e a Aids, que ainda são um motivo real de preocupação.

13 doenças temidas pela humanidade

Patrick Landmann/SPL/Nature
Patrick Landmann/SPL/Nature

Varíola

É considerada uma das primeiras doenças conhecidas pela humanidade. Estudos indicam sua presença em humanos há cerca de 12 mil anos e no faraó Ramsés 5º (f). Causada por vírus e transmitida pelo ar ou por itens contaminados, tem sintomas parecidos com os da gripe, com acréscimo de dores musculares, vômitos violentos e pústulas (bolhas) na pele. Ficou ainda mais perigosa com a urbanização: no século 18, matou 400 mil europeus; e no século 20, 300 a 500 milhões no mundo todo. Após campanhas de vacinação, foi considerada erradicada em 1979.
Jung Yeon-Je/AFP
Jung Yeon-Je/AFP

Gripe (sazonal, espanhola, aviária, asiática...)

A gripe matou e continua a matar muita gente, apesar das vacinas. O vírus já foi responsável por várias epidemias ao longo da história, sendo a mais grave a da "gripe espanhola", com 50 a 100 milhões de mortes entre 1918 e 1919. Surtos de gripe asiática no fim da década de 50 mataram mais de um milhão de pessoas. Em 2009, veio o H1N1. Até a gripe comum ainda mata muita gente todos os anos. Os sintomas incluem febre, coriza, tosse, dor de garganta e cabeça. A transmissão ocorre pelo ar e por itens contaminados.
Reprodução
Reprodução

Peste negra

Uma das doenças mais mortais da humanidade, transmitida por pulgas que habitam roedores. Acredita-se que a devastadora pandemia da Idade Média matou de 75 a 100 milhões de pessoas. Apesar do ápice no século 14, foi recorrente na Europa nos séculos seguintes e tornou-se um dos combustíveis para a Renascença. Atualmente, surge ocasionalmente em algumas partes do mundo, mas é controlada por antibióticos e ações para evitar ratos e pulgas. O risco de a bactéria causadora sofrer uma mutação e ficar resistente aos remédios existe. Os sintomas são febre alta, mal estar e manchas pretas na pele (que deram origem ao nome da doença).
BBC
BBC

Tuberculose

Também é uma doença bem antiga, com vestígios em corpos de milhares de anos. O maior surto ocorreu nos séculos 19 e 20, quando até 25% das mortes na Europa eram por causa da doença. Em 2014, 1,1 milhão de pessoas morreram em países subdesenvolvidos. Causada por bactéria, ela afeta o pulmão. Os sintomas são tosse, febre baixa, cansaço, rouquidão e, em casos graves, dificuldade na respiração e eliminação de grande quantidade de sangue.
Kiran Manjhunath/AFP
Kiran Manjhunath/AFP

Aids

Desde o início da epidemia, na década de 80, 35 milhões de pessoas morreram por causa do HIV. A Aids ainda é um caso de saúde pública não resolvido e recebe esforços mundiais para combate-la. A transmissão ocorre por relação sexual e contato com sangue infectado pelo vírus. Nos últimos anos, o número de novos casos tem aumentado em alguns países, inclusive no Brasil.
Swoan Parker/Reuters
Swoan Parker/Reuters

Cólera

O cólera é uma doença associada à falta de saneamento básico. Transmitida por água e comida, a bactéria causa diarreia, vômitos, desidratação e falência dos rins. Já matou um número difícil de estimar, mas na casa de milhões. Normalmente, ocorre atrelada a pandemias --teria matado mais de um milhão de pessoas na Rússia entre 1852 e 1860 e mais de 800 mil na Europa, Ásia e África no início do século 20. A cólera ainda está por aí. "No Brasil tivemos cólera faz 20 anos, e depois ele foi erradicado. Mas no Haiti, depois do terremoto, o cólera ficou endêmico", explica Telarolli.
wikimedia commons
wikimedia commons

Tifo

Na Grécia antiga, matou até 100 mil pessoas em Atenas. No século 17, 10% da população da Alemanha morreu em um surto. Já no século 19 matou na Irlanda na casa de centenas de milhares em um curto período de tempo. No século 20, atingiu a Rússia e deixou 3 milhões de mortos durante a Guerra Civil. Os sintomas variam de acordo com a bactéria causadora, mas envolvem dor de cabeça, febre, náusea, diarreia, dores pelo corpo e vômito. A transmissão ocorre por piolhos que parasitam animais e também contaminam o homem. A doença também está atrelada à falta de saneamento.
Thinkstock
Thinkstock

Febre amarela

A febre amarela ainda é uma doença recorrente. Transmitido pelo mosquito Aedes, o vírus infecta 200 mil pessoas por ano e mata cerca de 30 mil, sendo a maioria dos casos na África. No século 19, matou mais de 100 mil pessoas nos EUA. Hoje, há vacina. Os sintomas costumam ser fracos e semelhantes aos da gripe. Na forma mais grave, resulta em insuficiências hepática e renal, olhos e pele amarelados e hemorragias. "Araraquara (SP), por exemplo, perdeu 40% da população entre 1892 e 1899", diz o sanitarista.
Ladyrene Perez, Cubadebate/AP
Ladyrene Perez, Cubadebate/AP

Ebola

Apesar do temor em torno da doença e da alta taxa de mortalidade do vírus, ele ainda não se espalhou pelo mundo. "É um vírus burro, porque ele mata muito. As epidemias são auto-limitadas, porque nos vilarejos afastados da África ele chega a matar 90% e esgota a população. A doença acaba não causando grandes epidemias", afirma Telarolli. O maior surto da doença, o mais recente, matou 11 mil pessoas entre 2013 e 2016. Mas há o temor de mutações do vírus.
Reprodução/ABC7
Reprodução/ABC7

Sarampo

Ainda é muito relevante e já causou 200 milhões de mortes entre 1855 e 2005. Não costuma causar epidemias mortais, mas no Haiti, por exemplo, matou 20% da população em 1850. Na década de 80, foram 2,6 milhões de mortes por ano. A vacinação fez baixar as mortes para 114 mil, em 2014. A doença é causada por vírus, transmitido entre humanos por objetos contaminados. Os sintomas são parecidos com os da gripe, com erupções ou manchas vermelhas no corpo.
BBC
BBC

Malária

Transmitido por mosquitos e animais, o parasita causador da malária foi responsável por 438 mil mortes em 2015, 90% delas na África. A doença é associada à pobreza. A OMS estima que em 2000 a doença chegou a causar 839 mil mortes. Entre os sintomas estão febre, vômito, diarreia e dor no abdômen e músculos, sendo que um sintoma clássico é a sensação súbita de frio seguida por calafrios.
Noah Seelam/AFP
Noah Seelam/AFP

Raiva

Apesar de rara, é mortal na maioria dos casos. O vírus é transmitido por mordidas ou arranhões de animais infectados (em 99% das vezes por cachorros). A vacinação humana e animal é fundamental na prevenção. Lavar o ferimento logo após a mordida pode ajudar a salvar vidas. A doença afeta o sistema nervoso e causa dezenas de milhares de mortes todos os anos, a maioria (95%) na Ásia e África. Os sintomas são dores pelo corpo, sensações de formigamento e queimação, medo de água, inflamação do cérebro, hiperatividade e outros.
Reuters/Raj Patidar
Reuters/Raj Patidar

Poliomielite

A poliomielite não causa mais mortes, mas já foi a responsável por inúmeros casos de paralisia infantil. A doença viral é transmitida entre pessoas, sendo que 90% das infecções são assintomáticas. Em 1% dos casos, o vírus alcança o sistema nervoso central e destrói neurônios motores. A vacina surgiu na década de 50, quando os casos diminuíram de 350 mil em 1988 para apenas 74 em 2015.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos