Relação entre zika e Guillain-Barré é mais evidente que zika e microcefalia

Claudia Trevisan

Em Washignton

  • Ricardo Mazalan/AP

    Neurologista de hospital na Colômbia testa músculos faciais de paciente que foi diagnosticada com síndrome de Guillain-Barré

    Neurologista de hospital na Colômbia testa músculos faciais de paciente que foi diagnosticada com síndrome de Guillain-Barré

A relação entre o vírus da zika e a síndrome de Guillain-Barré é mais evidente do que a observada até agora nos casos de microcefalia, disse à reportagem Marcos Espinal, diretor do Departamento de Doenças Transmissíveis da Opas (Organização Pan-Americana de Saúde).

Segundo ele, até agora, o único país das Américas a registrar a má-formação no cérebro de bebês é o Brasil. Se nos próximos meses não aparecerem casos semelhantes em outras regiões, será preciso investigar outras razões para o problema.

Se a zika provoca microcefalia, vamos começar a ver casos na Colômbia em junho, porque o vírus chegou lá em outubro

"A evidência com Guillain-Barré é mais conclusiva. Há vários países com zika que estão relatando aumento da síndrome, como Brasil, El Salvador, Colômbia, Suriname, Venezuela e Polinésia Francesa", ressaltou Espinal.

Ele disse que é difícil estimar um prazo para a confirmação da relação causal entre zika e microcefalia, mas ressaltou que o quadro deverá ficar mais claro em abril, quando será divulgado um estudo de casos que está sendo feito no Brasil.

Ainda que a situação seja menos conclusiva do que em relação à Guillain-Barré, ele observou que há evidências "muito sugestivas" apontando para a zika na origem da microcefalia.

Na hipótese de esse vínculo não se comprovar, será necessário investigar se a má-formação é provocada por outros vírus ou pela influência de produtos tóxicos e químicos, afirmou Espinal.

'Pensei que ficaria paralisado pelo resto da vida', diz paciente

  •  

De acordo com ele, a zika já está presente em 26 países e territórios das Américas. Apesar de o vírus estar se movendo na direção norte, os Estados Unidos ainda não tiveram casos autóctones da doença e Espinal não espera que o país experimente uma epidemia. Em sua avaliação, a região ainda não viu o pico da doença, que deverá se espalhar para todos os países da América Latina e do Caribe.

"Tudo ainda é um mistério"

O diretor da Opas foi um dos participantes de seminário que reuniu nesta terça-feira (16) em Washington cientistas e médicos para discutir a epidemia de zika. Todos concordaram que há um déficit de conhecimento da comunidade científica em relação ao zika, vírus pouco estudado que esteve fora do radar das pesquisas até aparecer no Brasil, no ano passado.

Desde sua descoberta, em 1947, até um surto na ilha de Yap, em 2007, haviam sido registrados apenas 14 casos da doença no mundo.

"O que provocou o recente aumento? Nós não sabemos. Tudo ainda é um mistério para nós", disse Ronald Rosenberg, responsável por doenças infecciosas do Centro para Prevenção e Controle de Doenças (CDC, na sigla em inglês).

Em sua opinião, a prioridade para o Brasil é esclarecer a relação entre a doença e a má-formação do cérebro de bebês. "Todos os relatórios indicam que a microcefalia e a síndrome de Guillain-Barré aumentaram no mesmo período em que tivemos a epidemia de zika. Mas saber como essa conexão acontece é complexo", observou.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos