Topo

Terapias na água aquecida trazem conforto, bem-estar e alívio de dores

Ana Sachs

Do UOL, em São Paulo

04/06/2012 07h00Atualizada em 02/07/2012 13h16

Pouco conhecidas e difundidas no Brasil, as terapias feitas na água ou com ela podem ser grandes aliadas no combate ao estresse do dia a dia, à ansiedade, às dores musculares, às tensões e até mesmo podem ajudar os pacientes a se libertarem de traumas psicológicos e a se recuperarem de problemas físicos, como deficiências e males ocasionados por paralisias cerebrais e AVC, por exemplo.

As atividades são geralmente feitas com água aquecida a uma temperatura confortável, que pode variar de lugar para lugar, dependendo do clima. Em geral, gira em torno de 34°C. “A água aquecida oferece muita facilidade, pois são movimentos prazerosos, convidativos, relaxantes e a pessoa vai se soltando”, fala o fisioterapeuta e terapeuta aquático Marcelo Roque, responsável pelos sites AquaBrasil e Watsu Brasil.

Para os especialistas, o principal diferencial da terapia na água das feitas em solo é proporcionar um relaxamento não só muscular, mas também mental. O ambiente aquecido faz lembrar o líquido amniótico, trazendo uma sensação de conforto e segurança que leva o paciente a se soltar com mais facilidade.

“É um trabalho muito mais mental do que corporal. Uma pessoa que tem medo crônico acaba mantendo alguma região do corpo contraída durante muito tempo, o que cria uma espécie de couraça. Na terapia, trabalhamos essa região e a pessoa acaba se soltando e se libertando do trauma. Às vezes a pessoa vem para fazer um tratamento de coluna e acaba solucionando um trauma emocional”, explica Roque.

Para o terapeuta Maurício Bastos, a terapia na água promove uma “desintoxicação” da mente. “O corpo físico guarda lições do passado e a água, junto com um trabalho de respiração, faz a limpeza deste conteúdo, desintoxicando a mente emocional”.

Modalidades

No Brasil, dentre as inúmeras modalidades de terapias na água, o watsu é a mais utilizada e conhecida. Trata-se de uma espécie de shiatu na água, no qual a pessoa flutua com a ajuda do profissional e vai suavemente alongando e trabalhando a respiração. Criada nos anos 1980, nos EUA, pelo terapeuta Harold Dull, foi a primeira terapia aquática desenvolvida no mundo. Cada sessão de uma hora pode custar entre R$ 70 e R$ 250.

Atividades "zen"

Algumas modalidades não são consideradas terapias, mas de alguma forma também podem oferecer alívio das tensões. É o caso do water pilates, que demanda foco no equilíbrio e na respiração, funcionando como uma “meditação na água”. O preço pode variar conforme a região do país e frequência das aulas. Já a acqua yoga é feita em uma piscina aquecida e com luz amena, promovendo tranquilidade e relaxamento. Custa R$ 350, com aulas de 45 minutos duas vezes por semana, na academia Ecofit, em São Paulo.

Já o aquadinamic foi criado pelo próprio Botelho, com o intuito de adaptar a prática de watsu ao gosto do brasileiro. “O europeu gosta muito do watsu, pois eles têm o corpo mais rígido. Já o latino quer uma coisa mais ativa”, diz ele. Nesta modalidade, os movimentos lentos são substituídos por outros mais fortes e rápidos. A sessão de 30 minutos custa cerca de R$ 120.

Outra terapia criada por um brasileiro, e que leva seu nome, é o jahara, do terapeuta Mário Jahara. Pouco difundida no Brasil, ela é bastante praticada em países como os EUA e a Alemanha. A terapia é voltada para o equilíbrio do corpo e relaxamento, que levam a pessoa a se conhecer melhor. Na parte passiva, o terapeuta flutua o paciente com o auxílio de um flutuador e trabalha para o equilíbrio corporal. Nos exercícios ativos, ajuda o paciente a desenvolver sua consciência postural e coordenação motora. A sessão de uma hora custa até R$ 250.

Menos difundido no Brasil, o water dance surgiu em 1987 e foi a primeira terapia aquática em submersão. O paciente é embalado e alongado acima da superfície e também debaixo da água, levando-o a estados profundos de relaxamento e meditação.

Criado pelo bailarino e coreógrafo norte-americano Alexander George, nos anos 1990, o healing dance deriva do water dance, mas com movimentos mais fortes e rítmicos. “É um tipo de dança passiva na água, na qual o professor conduz o aluno”, diz Danilo Botelho. Ambas as modalidades têm sessões de uma hora que valem entre R$ 70 e R$ 250.

Diferentes

Uma das últimas novidades no mercado brasileiro é o tanque de flutuação Samadhi Flotation, que vem dos EUA. Trata-se de um tanque fechado e escuro que contém apenas 25 cm de água misturados a 350 kg de um sal especial que reproduz efeito semelhante ao do Mar Morto.

“Automaticamente, ao entrar no tanque, você flutua. A ausência da gravidade e dos cinco sentidos deixa a pessoa até 80% livre de estímulos externos, o que leva a um estado de relaxamento físico e mental muito intenso. Uma hora de flutuação equivale a quatro horas de sono profundo”, explica a terapeuta holística Helena Liva Ribeiro Braga, que trouxe a máquina para a Clínica Inner Fit, em São Paulo. A flutuação serve para melhorar o estresse, a depressão, aumentar a criatividade, concentração e ajuda na recuperação muscular e na qualidade do sono. Um pacote com três sessões sai por R$ 400.

Outra opção menos convencional é a cascaterapia. Idealizada pelo professor de terapias naturais Danilo Botelho é feita na chácara Eco-Itaipu, em São Carlos (SP) e consiste em um circuito de quatro pontos na cascata, cada um oferecendo um benefício específico. Em um deles, por exemplo, a pessoa fica sentada e o jato forte de água “tampa” seus ouvidos, fazendo-a escutar apenas o fluxo da água. Com isso, explica o professor, é mais fácil entrar em estado meditativo e relaxado. A terapia completa dura uma hora e custa de R$ 35 a R$ 100, dependendo da quantidade de pessoas.

Para quem não quer se molhar nem tirar a roupa, uma forma de aproveitar os benefícios da água é a Aquamassage, feita em uma máquina especial também fabricada nos EUA. São 36 jatos de água jogados simultaneamente nas laterais e costas da pessoa, que fica deitada no equipamento coberta por um fino vinil. “Além do relaxamento, promove melhora na circulação e combate a celulite”, explica Joaninha Kuchkarian, representante do equipamento no Brasil. Dez minutos na máquina saem por R$ 29.

Notícias