PUBLICIDADE
Topo

Entidade alerta para teores de 'provável cancerígeno' em pães e biscoitos

Do UOL

Em São Paulo

04/02/2014 18h50Atualizada em 04/02/2014 18h55

Uma pesquisa mostra que os teores de acrilamida, substância associada a um risco maior de ter câncer, variam bastante entre produtos do mesmo grupo vendidos nos supermercados brasileiros, apesar de não haver nenhuma lei ou regra que regule o assunto. Formada durante o aquecimento de alimentos ricos em carboidratos a temperaturas acima de 120° C, a acrilamida é classificada como "provável cancerígeno" pela Agência Internacional de Pesquisa em Câncer, ligada à Organização Mundial da Saúde.

A Proteste Associação de Consumidores analisou 51 produtos de oito categorias de alimentos – batata frita, batata chips, biscoito doce e salgado, biscoito cream cracker, pão francês, salgadinhos e torradas – e constatou que o pão francês e os biscoitos doces e salgados são os campeões em teor da substância.

Apesar de não haver consenso sobre os níveis considerados seguros à saúde e, portanto, não haver legislação sobre o tema, a Proteste decidiu pedir à Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) a elaboração de um código de boas práticas para que os fabricantes revejam seus processos de fabricação e cumpram metas para a redução da substância.

  • Reprodução/Revista Proteste Saúde

    A tabela com os resultados da pesquisa mostra que os níveis de acrilamida podem variar bastante em alimentos do mesmo grupo

Em um informe técnico divulgado em 2007, a Anvisa esclarece que não existem evidências suficientes sobre a quantidade de acrilamida presente nos diferentes tipos de alimentos para recomendar que se evite algum deles em particular. Mas sugere que itens ricos em amido não sejam cozidos por muito tempo a temperaturas superiores a 120° C. 

Resultados

A Proteste detectou que o pão francês da marca Extra contém a maior quantidade da acrilamida, 225 microgramas por quilo, enquanto o do Carrefour tem 111.

Entre os biscoitos doces, o Passatempo tem menos de 100 microgramas por quilo, enquanto o Adria tem 1.110. Já entre os salgados, o da Nestlé Nesfit tem 1.060 microgramas por quilo e o Club Social, 526. O biscoito cream cracker da Mabel apresenta 448 microgramas por quilo, e o Richester, 210.

A batata frita do Habib’s contém a maior quantidade de acrilamida, 496 microgramas por quilo, e a do Bob’s a menor, com 100. Entre as batatas chips, a Stax tem 765 microgramas por quilo e a Ruffles, 243.

O salgadinho da Cheetos tem menos de 100 microgramas da substância e o Pingo D’Ouro, 393. A torrada da Plus Vita tem 244 microgramas de acrilamida por quilo, enquanto a da Visconti tem 102.

Outro lado

O UOL Saúde contatou os fabricantes dos produtos com maiores índices de acrilamida para comentar o resultado da pesquisa. A M.Dias Branco, responsável pelas marcas Adria e Richester, ressaltou que, "de acordo com a Anvisa, a formação de acrilamida ocorre naturalmente em alguns tipos de alimentos ricos em carboidratos e que necessitam de altas temperaturas para o seu preparo. Por isso a substância pode estar presente tanto em alimentos preparados em casa quanto em produtos processados". 

A empresa também informou que adota as Boas Práticas de Fabricação em todas as linhas de produção e acompanha a discussão sobre o tema junto às entidades científicas e governamentais. "A companhia adota rígidos controles de qualidade em todos os seus produtos e segue a legislação e as normas da vigilância sanitária".

Como evitar 

Em sua revista mensal, a Proteste sugere que o ideal é evitar o consumo de altas quantidades de acrilamida. Uma dica da entidade é dar preferência às batatas cozidas, em vez das fritas. E, ao cozinhar ou fritar, é recomendável deixá-las com uma cor amarelo dourado - a cor marrom, segundo pesquisadores, é um indicador da presença de acrilamida. "A regra também vale para o pão e para as torradas: prefira os mais clarinhos", diz a revista.

Outro conselho de pesquisadores que é destacado pela Proteste é guardar as batatas em local fresco e escuro, como o armário ou a despensa, em vez de deixá-la na geladeira. Isso porque as temperaturas mais baixas podem aumentar a formação de acrilamida no cozimento.