Conteúdo publicado há 2 meses

Em calamidade pública, RS tem ao menos 21 mortos e 21 desaparecidos

O governador do Rio Grande do Sul, Eduardo Leite (PSDB), decretou estado de calamidade pública no estado após as fortes chuvas que atingiram diferentes cidades desde 24 de abril e deixaram pelo menos 21 mortos. Outras 21 pessoas estão desaparecidas.

O que aconteceu

Chuvas e enchentes foram classificadas como desastres de nível 3 — "caracterizados por danos e prejuízos elevados". O texto foi publicado em edição extra do Diário Oficial na noite de quarta-feira (1º).

O decreto tem um prazo de 180 dias. "A situação de anormalidade declarada em âmbito estadual por este Decreto, não obsta o início ou o prosseguimento da declaração em âmbito local pelos Municípios, que poderão avaliadas e homologadas pelo Estado", diz o texto.

De acordo com a Defesa Civil do Rio Grande do Sul, 147 municípios foram afetados. Também foram registrados 12 feridos, 9.993 desalojados e 4.599 pessoas acolhidas em abrigos públicos

Pelo menos 21 pessoas morreram desde o último sábado (27) no Rio Grande do Sul por causa das chuvas e enchentes, segundo números contabilizados pelo UOL, conforme dados de autoridades locais. As cidades que registraram mortes são:

  • Paverama: Dois homens de 69 e 65 anos que estavam em um carro que tentava atravessar uma área alagada;
  • Pantano Grande: Um homem de 59 anos, vítima de descarga elétrica;
  • Itaara: Uma mulher de 48 anos -- ainda não se sabem as circunstâncias;
  • Encantado: Uma mulher de 45 anos -- ainda não se sabem as circunstâncias;
  • Salvador do Sul: Duas pessoas, uma delas um homem de 47 anos, vítima de um deslizamento de terra. Ainda não há informações sobre a segunda vítima;
  • Segredo: Um homem de 62 anos que estava em um carro que tentava atravessar uma área alagada;
  • Santa Cruz do Sul: Uma vítima -- ainda não se sabem as circunstâncias;
  • Santa Maria: Duas pessoas morreram após um deslizamento de terra. Uma delas é uma adolescente de 17 anos, cuja mãe está desaparecida, informou a Polícia Civil.
  • São João do Polêsine: Uma pessoa morreu, segundo boletim da Defesa Civil. Não há informações sobre as circunstâncias da morte até o momento.
  • Silveira Martins: Uma mulher morreu em uma área do município próxima à divisa com Santa Maria. A princípio, a Defesa Civil tinha contabilizado a morte no município vizinho. A correção foi feita pelo órgão às 12h56.
  • Gramado: Quatro pessoas morreram em dois pontos diferentes de deslizamento no município. O UOL confirmou a informação diretamente com o Corpo de Bombeiros. Um gabinete de crise foi criado pela prefeitura, informou o órgão em publicação nas redes sociais.
  • Serafina Corrêa: Duas mortes foram registradas no município. Uma delas ocorreu em um deslizamento. O segundo óbito confirmado foi o de um homem arrastado pela correnteza. A informação é do Serviço Civil Auxiliar Bombeiro e foi compartilhada pela prefeitura do município.
  • Boa Vista do Sul: Duas pessoas morreram após um deslizamento registrado no município. Elas foram identificadas pela prefeitura como Paloma Melo da Silva e Andrigo Oliveira de Ávila.

Há 21 desaparecidos em cinco cidades. São elas: Candelária (8), Encantado (6), Roca Sales (4), São Vendelino (2) e Passa Sete (1).

Barragem 14 de julho rompeu em Bento Gonçalves. O rompimento parcial deve evoluir para total, segundo projeção do vice-governador Gabriel Souza. A expectativa é que o nível da bacia do Rio Taquari-Antas suba em cidades como Santa Bárbara, Roca Sales e Santa Tereza.

Hospital de campanha do Exército em Lajeado. O Ministério da Defesa anunciou construção de hospital com 40 leitos de enfermaria. Segundo a pasta, a unidade também vai ter dois consultórios e o transporte de toda a estrutura para a construção será feito nesta quinta-feira (2) em um avião da FAB.

Continua após a publicidade

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) afirmou que não faltarão recursos para o Rio Grande do Sul. O presidente chegou ao estado na manhã desta segunda-feira (2).

Não faltará nenhum esforço para que a gente possa trabalhar arduamente. A gente não vai permitir que faltem recursos para que a gente possa reparar os danos. O governo federal estará 100% em sintonia com o governo estadual. Primeiro momento, a gente tem que cuidar das pessoas. No segundo momento, reparar os danos. Tudo que estiver ao alcance do governo federal, faremos. Eu sei que são muitas casas, muitas vidas, mas a gente vai tentar minimizar o prejuízo dessas pessoas.
Presidente Lula

Leite pede para moradores saírem de casa

Governador gravou vídeo pedindo para que moradores do Vale do Taquari, região que abrange 40 municípios, deixem suas casas. Leite afirmou que o rio Taquari deve atingir níveis superiores ao das chuvas de setembro.

A Defesa Civil do estado informou que o rio Taquari está ultrapassando sua cota de inundação. "As pessoas que não tiverem locais alternativos devem buscar informações junto à Defesa Civil da sua cidade sobre os abrigos públicos disponibilizados pelas Prefeituras, rotas de fuga e pontos de segurança", diz nota.

Continua após a publicidade

Santa Tereza, Muçum, Roca Sales, Encantado, Estrela, Lajeado, e os municípios que seguem o curso do rio Taquari. A gente pede às pessoas, nesta noite, que saiam das suas casas e busquem um local seguro.
Eduardo Leite, governador do RS

São Paulo e Minas enviam ajuda

O Corpo de Bombeiros de São Paulo anunciou o envio de 33 militares para o Rio Grande do Sul. O objetivo é auxiliar nos esforços de busca e resgate de vítimas dos fortes temporais.

Devido às fortes chuvas que atingiram o Rio Grande do Sul, o Corpo de Bombeiros da Polícia Militar do Estado de São Paulo mobilizou 33 bombeiros em missão de salvamento para auxiliar nos esforços de busca e resgate de vítimas. Reiteramos nosso compromisso com a preservação da vida, do meio ambiente e do patrimônio, permanecendo sempre à disposição da sociedade para atender urgências e emergências tanto em São Paulo quanto em qualquer outro lugar onde nossa ajuda humanitária, técnica e logística seja necessária. Comunicado do Corpo de Bombeiros

O Governo de Minas anunciou o envio de ajuda técnica e humanitária para os atingidos pelas chuvas. Ao todo, 28 bombeiros militares irão prestar apoio às cidades atingidas, com apoio da Defesa Civil e da SES-MG (Secretaria de Saúde de Minas Gerais).

O Governo de Minas Gerais, por meio do Corpo de Bombeiros de Minas Gerais (CBMMG), da Coordenadoria Estadual de Defesa Civil (Cedec-MG) e da Secretaria de Saúde (SES-MG), envia, na tarde desta quinta-feira (2/5), equipes de apoio ao Rio Grande do Sul. O objetivo é prestar auxílio necessário nas ações de busca e salvamento de vítimas das inundações provocadas pelas recentes chuvas que atingiram o estado. Nesta quarta-feira (1/5), dois profissionais da Defesa Civil de Minas Gerais já se deslocaram ao estado para iniciar os primeiros trabalhos. Nota divulgada pelo governo mineiro

Deixe seu comentário

Só para assinantes