Equilíbrio

Você se sente solitário? Segundo os cientistas, isso pode ser genético

Do UOL, em São Paulo

  • Stockbyte/Getty Images

Pesquisadores da Escola de Medicina de San Diego, da Universidade da Califórnia (EUA), realizaram um estudo que associa a solidão ao genoma humano. A pesquisa afirma que "sentir-se só" está relacionado à genética, embora o ambiente também desempenhe um papel importante nesta condição.

A possibilidade da solidão ser hereditária já havia sido apresentada em estudos com gêmeos, com crianças e adultos. A partir destas análises, os pesquisadores também tentaram identificar os genes específicos que contribuem para a solidão. No entanto, segundo a equipe, as pesquisas anteriores utilizavam um número muito limitado de amostras.

A pesquisa atual analisou cerca de 10 mil pessoas com 50 anos ou mais. Os participantes responderam a três perguntas com o intuito de medir a solidão: Quantas vezes você sente que lhe falta companhia? Quantas vezes você se sente deixado de lado? Quantas vezes você se sente isolado dos outros?

A pesquisa não usa a palavra "solitário", porque, segundo os especialistas, as pessoas não se sentem à vontade em expressar esse sentimento.

De acordo com o resultado do estudo, liderado pelo professor de psiquiatria Abraham Palmer, a solidão ou a tendência a se sentir solitário ao longo da vida é uma característica moderadamente hereditária, influenciada pela genética entre 14% e 27% das vezes.

O estudo publicado na revista Neuropsychopharmacology também descobriu que o risco genético para a solidão está associado com neuroticismo (tendência para experimentar emoções negativas, como raiva ou ansiedade) e sintomas depressivos.

Diferentemente das pesquisas anteriores, os cientistas não encontraram relação entre a solidão e as variações de genes que processam dopamina (neurotransmissor responsável pela sensação de recompensa e prazer) e oxitocina (conhecida como "hormônio do amor").

Segundo Palmer, duas pessoas com o mesmo número de parentes próximos e amigos, podem ter sensações diferentes sobre a estrutura social em que vivem se adequando ou não aquele meio. "E isso é o que queremos dizer com "predisposição genética para a solidão '", explica o pesquisador.

Os pesquisadores estão trabalhando para encontrar uma variação genética específica que indique quais mecanismos do corpo influenciam a solidão.

Eremita regressa à sociedade após 10 anos de solidão

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos