Por que os jovens não usam camisinha?

Maria Júlia Marques

Do UOL, em São Paulo

  • iStock/Getty Images

Os jovens estão deixando de usar camisinha. Apesar dos alertas de que o preservativo evita DSTs (Doenças Sexualmente Transmissíveis) ou gravidez indesejada, diferentes justificativas aparecem e a ausência da camisinha vira hábito.

Para ter uma ideia, uma pesquisa do Ministério da Saúde mostrou que 9 em cada 10 jovens de 15 a 19 anos sabem que usar camisinha é o melhor jeito de evitar HIV, mas mesmo assim, 6 em cada 10 destes adolescentes não usaram preservativo em alguma relação sexual no último ano.

Nem aqueles que são ainda mais jovens e estão no início da vida sexual dão atenção para o preservativo. A Pense (Pesquisa Nacional de Saúde Escolar), publicada pelo IBGE, mostrou que em 2015, 33,8% dos adolescentes entre 13 e 17 anos que já tinham começado sua vida sexual não usou camisinha na última transa --o índice é nove pontos percentuais maior do que em 2012.

Quando perguntados, as justificativas para deixar de lado a proteção mesclam a falta de preocupação, de informação e o descuido.

Arte/ UOL
 

"Na hora não penso nisso"

Um dos obstáculos que deixa os jovens mais distantes da camisinha é a falta comunicação direta. Antigamente, uma propaganda na televisão conseguia atingir toda a população e deixar claro a importância da prevenção. Hoje em dia, o jovem já não assiste canais de TV aberta e passa muitas horas grudado no celular.  

  • 50458
  • true
  • http://noticias.uol.com.br/enquetes/2017/02/08/voce-usa-camisinha.js

"O mundo e as conversas mudaram, as campanhas pelo uso da camisinha têm que evoluir", diz Adele Benzaken, diretoria do Departamento de Infecções Sexualmente Transmissíveis, Aids e Hepatites Virais do Ministério da Saúde.

Uma das tentativas do Ministério de modernizar o diálogo aconteceu nas Olimpíadas e as Paraolimpíadas no Rio de Janeiro, em 2016. Usando o aplicativo de paquera "Hornet", voluntários tiraram dúvidas sobre prevenção, diagnóstico e tratamento de DSTs. Mais de mil mensagens foram trocadas durante os 49 dias do projeto, chamado #CloseCerto.

"Falta usar mais essa criatividade nas campanhas. Tem que ser menos careta, mais frequente. As campanhas estão sumindo e o jovem não percebe a vulnerabilidade que tem", comenta Roseli Tardelli, editora-executiva da Agência Aids.

Arte/ UOL

"Tenho mais medo de gravidez do que de Aids"

 Por mais clichê que soe, outro fator que diminui o receio da geração é não ter vivenciado o período em que muitos famosos ficaram doentes e morreram por conta da doença. É aquela história de que eles não perderam ídolos ou conhecidos para Aids e por isso não acham o diagnóstico preocupante.

"No início da epidemia de Aids, ao descobrir um soro positivo você praticamente anunciava a morte. O sofrimento era enorme, marcou a população, mas 30 anos depois esse medo se esfarelou

Adele Benzaken, diretora do Ministério da Saúde

Além disso, também houve certa banalização quanto ao tratamento da doença. A euforia com um remédio que controla os riscos passou uma mensagem de que tudo bem se infectar. 

"A culpa também é dos profissionais de saúde. Ficamos animados com o tratamento fantástico, os benefícios do remédio apareceram mais do que a preocupação com a transmissão", afirma Benzaken.

É preciso deixar claro que o impacto da Aids mudou, ficou menos assustador, mas o vírus HIV é o mesmo e continua grave apesar das quedas de mortalidade, de acordo com Artur Kalichman, coordenador adjunto do Programa DST/Aids de São Paulo.

"Quem tem HIV terá a doença pairando sua vida para sempre. A informação do tratamento eficaz tem que ser espalhada, é ótimo, mas ser infectado não é simples como o jovem imagina", lembra Benzaken.

Arte/ UOL

"Aprendi que usar era certo e nunca pensei em deixar de lado"

Se o grupo de jovens que deixa de usar a camisinha cresce, aqueles que são adeptos dos preservativo por vezes são vistos como caretas ou neuróticos pelos amigos.

Na pesquisa de hábitos feita pelo Ministério da Saúde, é possível ver que em 2004, apenas 53,2% das pessoas com idades entre 15 e 24 anos afirmaram usar a camisinha ao perder a virgindade. Em 2013, esse número subiu para 64,2%.

"O aumento do uso do preservativo é discreto nesse contexto e precisamos dar o crédito. Sem esquecer que os outros indicadores apontam para um quadro mais infeliz", comenta Benzaken.

Arte/ UOL

"Mesmo tendo HPV transo sem camisinha"

Sem a camisinha, os números das DSTs aumentam.Segundo com uma pesquisa do Ministério da Saúde divulgada em 2014, mais de 10 milhões de brasileiros já tiveram algum sinal ou sintoma de alguma DST. 

"A relação é direta, a falta de preservativo leva ao aumento da transmissão de doenças perigosas como sífilis e Aids 

Artur Kalichman, coordenador do Programa Estadual DST/Aids-SP

Mas quem tem HPV deveria lembrar sempre da camisinha para evitar a propagação da doença, que já existe em 50% dos homens e entre 25% e 50% das mulheres no mundo inteiro.

O cuidado é necessário até porque a transmissão não se limita nas 'partes íntimas', o papilomavírus também pode ser transmitido pelo sexo oral e levar ao desenvolvimento do câncer de garganta.

Um exemplo são os casos de câncer de amídala a incidência do HPV, que cresceram de 25%, há 20 anos, para 80% em 2015, de acordo com estudo feito pela geneticista Sílvia Regina Rogatto, da Unesp (Universidade Estadual Paulista). Vale lembrar que já há vacina contra alguns tipos de HPV. 

No caso do HIV, o boletim epidemiológico 2016 mostra que as taxas de detecção do vírus naqueles de 15 a 19 anos aumentaram. De 2006 para 2015 o número entre os homens mais que triplicou, de 2,4 foi para 6,9 casos por 100 mil habitantes. 

Entre as mulheres também há preocupação. Os dados mostram que a taxa de detecção aumentou 12,9% nas adolescentes com a mesma faixa etária, no mesmo período.

Quando o assunto é sífilis, o ministro da Saúde, Ricardo Barros, admitiu em outubro de 2016 que o país vive uma epidemia. Em 2011, o boletim epidemiológico mostrou que 7% dos jovens de 13 a 19 anos foram diagnosticados com a doença. Em 2016, esse número subiu para 10,8%.

Arte/ UOL

"Quando namoro confio e não uso camisinha"

Confiança à parte, não é recomendado deixar de usar camisinha mesmo com os cônjuges (exceto se há vontade de engravidar, é claro).

Atualmente os jovens têm um cardápio muito variado para escolher parceiros. As estratégias vão do clássico bar aos aplicativos, como Tinder e Happn. Esta facilidade promove o aumento do sexo com parceiros casuais e, por tabela, aumenta as chances de contágio caso não haja uso de camisinha.

De acordo com Caio Oliveira, especialista em saúde coletiva e oficial de HIV/Aids do Unicef, há indícios de uma relação entre o uso crescente dos apps de encontros, o aumento do número de parceiros casuais e o crescimento das epidemias.

"Mas é preciso ter cuidado ao afirmar isso porque assim tiramos a responsabilidade das pessoas e das instituições", ressalta. "Atribuir a responsabilidade ao aplicativo é leviano, é colocar a discussão num patamar superficial. A resposta à epidemia deve ser construída a várias mãos."

"É difícil fazer uma regra para todo mundo usar sempre camisinha. Então é bom dar as opções preventivas além da camisinha", diz Benzaken. Um dos exemplos é a PEP (Profilaxia Pós-Exposição), um tratamento de 28 dias para quem teve uma relação de risco. A terapia antirretroviral, oferecida pela rede pública, evita a sobrevivência e a multiplicação do vírus HIV no organismo.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Assine e receba em seu e-mail em dois boletins diários, as principais notícias do dia

UOL Cursos Online

Todos os cursos