Jovem que nasceu sem ânus fica 4 meses sem glicerina para limpar intestino

Jéssica Nascimento

Colaboração para o UOL, no DF

Uma família de Planaltina de Goiás (a 223 km de Goiânia) vive um drama há 18 anos. Tudo começou quando a dona de casa Aldenira Pereira de Sousa, 46, deu à luz a Giovane. Logo no hospital, os médicos constataram que a criança havia nascido sem o canal do ânus. O menino até fez uma cirurgia para reverter o caso, porém sem sucesso. Para sobreviver, ele precisa utilizar glicerina – remédio que auxilia na limpeza do intestino pela sonda. Mas, a medicação, está em falta há pelo menos quatro meses na prefeitura da cidade.

Acervo pessoal
Giovane Sousa precisa de glicerina para fazer limpeza de seu intestino, já que nasceu sem ânus

Giovane Sousa chega a usar duas caixas de glicerina por mês em uma sonda que sai por seu umbigo. Cada uma custa R$ 25. Desempregada, a mãe conta que não tem como arcar com as despesas dos medicamentos. Aldenira e os três filhos vivem de um salário mínimo do INSS (Instituto Nacional de Seguro Social) pela gravidade do caso de Giovane e doações.

"Tem hora que eu falo: Meu Deus, por que eu? Entro em desespero. Não tenho pra onde correr, não tenho como pedir ajuda. Quem me ajuda é Deus. A glicerina é a vida do meu filho. Sem ela, as fezes ficam acumuladas. O remédio serve para limpar o intestino dele."

A pessoa que fica mais de 15 dias sem evacuar pode ter uma obstrução intestinal e as bactérias podem passar para o sangue", explica a médica Edione Magna Neri.

A cirurgiã pediátrica do Hospital Daher, Edione Magna Neri, explica que um procedimento cirúrgico é o único tratamento efetivo para a doença rara. A doença, segundo a especialista, faz parte de uma classe de más formações congênitas. 

"A incidência é de um caso para cada cinco mil crianças nascidas vivas. O índice de sucesso da cirurgia está diretamente relacionado ao paciente. Crianças com melhor musculatura perineal vão ter sempre melhor resposta cirúrgica. No caso do Giovane, a glicerina é responsável e indispensável pelo amolecimento das fezes, facilitando a evacuação."

Glicerina reposta

Em nota, a prefeitura de Planaltina de Goiás admitiu que a medicação estava em falta na Secretaria de Saúde. Porém, garantiu que a glicerina já foi reposta nos estoques das farmácias públicas nesta semana, e que entrará em contato com a família. Apesar da informação, dona Aldenira diz que ainda não conseguiu pegar os remédios.

"Toda vez que vou até a farmácia, os funcionários dizem que a Secretaria de Saúde ainda não entregou a glicerina. Por conta da falta do remédio, tenho que dar comida só uma vez para o meu filho. Assim, consigo evitar que ele passe mal e a sonda não saia. Só Deus para fazer um milagre na nossa família", diz emocionada a dona de casa.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos