Cena de TV? Entenda quando tiro ou facada provocam (ou não) sangramento

Fernando Cymbaluk

Do UOL, em São Paulo

  • Divulgação

    Cena da série Grey's Anatomy, com médicos ensopados de sangue

    Cena da série Grey's Anatomy, com médicos ensopados de sangue

Séries que retratam a rotina médica perderiam muitos de seus fãs se não mostrassem lençóis de macas e aventais de médicos encharcados de sangue. Mas muitas vezes há exagero na tinta vermelha. Dependendo da região do corpo e das características da lesão, por maior que seja um corte ou uma perfuração, o sangramento pode não ser tão grande.

É verdade que há feridas que sangram muito. Um pequeno corte na testa ou na face pode deixar a camisa banhada de sangue. Partes do corpo como cabeça, mãos e pés são bastante vascularizadas e sangram bem, explicam médicos consultados pelo UOL.

Já um tiro ou uma facada que atinja um vaso sanguíneo do grosso calibre também pode provocar sangramento externo abundante. Um corte na veia femoral, que leva sangue da perna para o coração, é fatal se não estancado rapidamente.

Já outras regiões do corpo, como as costas, o tórax e o abdome, não possuem muitos vasos sanguíneos em sua superfície. Assim, mesmo um corte grande pode parar de sangrar após alguns minutos de compressão. "O ferido muitas vezes chega ao hospital sem sangramento nenhum", afirma Igor Vieira, médico-cirurgião do Hospital de Base do Distrito Federal. Segundo ele, a ação de coagulação do próprio sangue faz parar um sangramento pouco intenso, que só reaparece durante os cuidados médicos para tratar o ferimento.

Ferimento no abdome que jorra sangue é coisa de filme, não é habitual. No hospital, recebemos pessoas com ferimentos que não estão sangrando, ou estão sangrando o mínimo. A não ser que o ferimento tenha atingido vaso importante, como artéria femoral. Aí o sangramento é exuberante

Igor Vieira, médico-cirurgião do Hospital de Base do Distrito Federal

Facadas e tiros também nem sempre sujam de sangue tudo ao redor. As imagens do esfaqueamento de Jair Bolsonaro chamaram a atenção das pessoas devido à ausência de sangue empapando a roupa do candidato à presidência. O fato de não aparecer sangue nas imagens não significa, contudo, que o local da facada não tenha sangrado. "Todo trauma penetrante causa lesão em tecidos, que têm vasos sanguíneos", afirma Renato Poggetti, médico do centro de traumas do Hospital 9 de Julho.

O sangramento externo, contudo, depende muito do tamanho do buraco aberto no corpo.  "Depende do tamanho da faca, ou do tamanho da bala. O tiro pode não sangrar nada externamente", diz Poggetti. Contudo, traumas penetrantes lesionam órgãos, podem atingir vasos importantes e causam sangramento dentro do corpo, que não vemos. No caso de Bolsonaro, foi atingida a artéria mesentérica, o que fez o deputado precisar de quatro bolsas de transfusão.

Reprodução
Imagens de Jair Bolsonaro após facada chamaram atenção pela ausência de sangue

Sangramento interno

O problema do sangramento interno é que ele não é fácil de ver. "Não é que não está sangrando, é que você que não está vendo", afirma o médico do Hospital 9 de Julho. Em casos de hemorragia interna, é necessário encontrar os locais de sangramento através de exames ou intervenções cirúrgicas. Traumas contusos, aqueles que são fruto de pancadas, também podem causar sangramento interno.

As intervenções cirúrgicas são mais comuns em casos de perfuração do abdome. Órgãos como intestino podem se movimentar, tornando difícil saber o que foi atingido, e o extravasamento de fezes provoca risco de infecção. Já no caso de uma perfuração do tórax, o mais importante é drenar o sangue que extravasa no pulmão.

Vasos internos pequenos, como os pulmonares, cicatrizam sozinhos. Mas quando vasos grandes são atingidos, precisam de reparo cirúrgico. No abdome, abaixo do umbigo, está a artéria epigástrica, que se cortada faz sangrar bastante externamente. Já no tórax, abaixo das costelas, estão as artérias intercostais. Outros vasos importantes, como artéria aorta e veia cava, estão localizados mais internamente.

Nos braços e pernas também passam veias e artérias mais grossas. Contudo, elas estão bem protegidas por camadas de músculo, pele e gordura, e apenas um corte muito profundo as alcançaria. "A natureza é sábia. Vasos mais calibrosos são mais profundos no corpo, é uma forma de proteção. Precisa ser um ferimento bem importante para atingir eles", completa Vieira.

Em casos assim, a demora para atendimento e a ausência de estancamento faz o sangue extravasar muito de dentro para fora. É o que ocorre nas tristes cenas de chacinas que vemos em reportagens policiais.

Getty Images
Sistema circulatório possui vasos maiores e menores

Conter sangramento

Quando há um grande sangramento, no caso em que vasos importantes são atingidos, toda a pressa é para fazer ele cessar. A perda grande de sangue causa necrose e morte de tecidos, queda da pressão sanguínea, falência de órgãos e morte. Se o sangramento não for estancado, não adianta nem transfusão sanguínea. "É como um tanque com torneira aberta que tentamos encher. Tem que fechar onde está o vazamento", diz Vieira. 

Depende da intensidade, sangramentos são muito graves, independentemente de serem internos ou externos. O sangue que escorre para fora do corpo tem a vantagem de ser visível e controlável mais facilmente. "Cessa se pressionar. Coloca um pano, faz um garrote, ele para", diz Poggetti. Mas o interno pode não ser identificado e requer a abertura do corpo para ser estancado. "Tem que ir lá dentro fazer essa pressão, com costura, grampeador, retirada de tecido machucado, ligadura do vaso", completa o médico.

O melhor remédio para sangramento é parar o sangramento. E como parar o sangramento? [Começa] na rua, onde está o ferido, com pressão. E quando há trauma, tem que ir para o hospital o mais rápido possível porque pode haver sangramento interno

Renato Poggetti, médico do centro de traumas do Hospital 9 de Julho

Ele explica que nosso corpo possui em média 5 litros de sangue. Um sangramento leve, que recebe a classificação de grau 1, equivale à perda de até 15% do volume de sangue do corpo. Para comparação, doações de sangue retiram do corpo cerca de 10% da substância.

A classificação das hemorragias possui 4 categorias. A maior, de grau 4, representa uma perda acima de 40% do nosso sangue. "Perder metade do sangue do corpo é muito grave. Órgãos vão pifando, cérebro não recebe oxigênio, a pessoa fica inconsciente", diz o especialista. "Em casos de trauma, é preciso ir ao hospital o mais rápido possível", completa.

Tradutor: Nem todo tiro, facada ou corte profundo ensopa a roupa de sangue

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

UOL Newsletter

Para começar e terminar o dia bem informado.

Quero Receber

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos