PUBLICIDADE
Topo

Saída de cubanos deixará cidade de Alagoas com apenas um médico

Atendimento de saúde no município de Chã Preta, em Alagoas - Reprodução Facebook
Atendimento de saúde no município de Chã Preta, em Alagoas Imagem: Reprodução Facebook

Carlos Madeiro

Colaboração para o UOL, em Maceió

15/11/2018 04h00

No município de Chã Preta (a 101 km de Maceió), três dos quatro médicos do Programa de Saúde da Família são cubanos.

A secretária municipal de Saúde, Rosilene Pedrosa, afirmou que até a tarde desta quarta-feira (14) não havia sido notificada oficialmente da saída dos médicos e que pretende conversar com eles nesse feriado da Proclamação da República. Ela também chamou a situação de "um desfalque grande".

"Se eles deixarem [o programa], a cidade fica sem médicos, só fica com um brasileiro", relata ela. "A gente não sentou para conversar com a prefeita porque soubemos hoje pela internet. Tenho de ser notificada para saber que providências vamos tomar."

Chã Preta - Reprodução/Facebook - Reprodução/Facebook
Imagem: Reprodução/Facebook

Chã Preta tem uma população de apenas 7.316 pessoas, segundo estimativa de dados de 2018 do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística). A renda per capita anual fica em R$ 9.140,03.

Localizado na divisa com Pernambuco, o município é uma típica cidade do interior do Nordeste sem arrecadação própria e tem apenas 5,9% da população com esgoto sanitário adequado.

Leia também:

Segundo Pedrosa, que assumiu o cargo há seis meses, a tendência é que, sem os médicos do programa federal, pequenos municípios pobres tenham problemas para contratar profissionais.

"A dificuldade dos secretários vai ser a questão dos salários, porque os brasileiros pedem muito alto, coisa R$ 13 mil, R$ 14 mil, e os municípios pequenos não têm como pagar isso", afirma.

Segundo a secretária, os médicos cubanos são bem vistos pela população e pela gestão da prefeitura. "Os pacientes gostam deles. Nós, da gestão, também gostamos, nunca tivemos problemas. A única dificuldade é a questão da língua, a comunicação", finaliza.

Notícias