PUBLICIDADE
Topo

Saúde

Conteúdo publicado há
1 mês

Várias semanas serão necessárias para compreender nova variante, diz OMS

Cientistas têm afirmado que a nova variante possui um alto número de mutações - iStock
Cientistas têm afirmado que a nova variante possui um alto número de mutações Imagem: iStock

Do UOL, em São Paulo*

26/11/2021 09h24

Várias semanas serão necessárias para compreender o nível de transmissão e a virulência da nova variante do coronavírus que foi detectada na África do Sul, identificada como B.1.1.529, afirmou o porta-voz da OMS (Organização Mundial da Saúde).

Especialistas da OMS se reunirão hoje para decidir se a variante deve ser considerada "preocupante", afirmou Christian Lindmeier.

Cientistas têm afirmado que a nova variante possui um alto número de mutações, as quais podem torná-la mais transmissível e permitir que ela contorne algumas das respostas imunes detonadas por infecção anterior ou pela vacinação.

Horas depois do anúncio desta convocação, vários países europeus e Israel decidiram impor medidas restritivas aos viajantes provenientes do continente africano.

A partir de hoje, passageiros vindos do país não podem desembarcar em aeroportos britânicos. A decisão foi anunciada pelo secretário de Estado para Saúde e Assistência Social do Reino Unido, Sajid Javid. Também estão na chamada lista vermelha Namíbia, Lesoto, Eswatini, Zimbábue e Botsuana.

A medida foi criticada pelo governo sul-africano. "Nossa preocupação imediata é o dano que esta decisão causará tanto às indústrias de turismo quanto às empresas de ambos os países", disse a ministra das Relações Exteriores da África do Sul, Naledi Pandor, em um comunicado.

Israel também vai impedir a entrada de pessoas vindas desses países, assim como de Moçambique. O ministério da Saúde israelense anunciou hoje o primeiro caso de contaminação com a nova variante em uma pessoa vinda do Malawi.

* Com informações da AFP, Estadão Conteúdo e RFI

Saúde