PUBLICIDADE
Topo

Saúde

Ministério da Saúde diz que vai se manifestar ao STF sobre vacinas a vencer

A vacina contra covid torna a infecção mais leve - Getty Images
A vacina contra covid torna a infecção mais leve Imagem: Getty Images

Do UOL, em São Paulo

22/06/2022 20h54Atualizada em 22/06/2022 20h58

Horas após a decisão do ministro Ricardo Lewandowski, do STF (Supremo Tribunal Federal), que mandou a União explicar o estoque de vacinas contra a covid-19 que estão a vencer, o Ministério da Saúde informou que irá se manifestar à Corte no prazo determinado.

Em nota, o Ministério da Saúde afirmou que na última segunda-feira (20) ampliou a segunda dose de reforço para pessoas a partir de 40 anos de idade, e que reitera a importância das doses de reforço contra a Covid-19.

"A pasta reforça que, mesmo com o fim da Emergência em Saúde Pública de Importância Nacional, a campanha de vacinação contra a Covid-19 segue normalmente em todo o país, e pede que estados e municípios continuem empenhados em vacinar a população que ainda possui doses em atraso", diz nota.

Entenda o caso

Os dados sobre estoques da vacina, que são mantidos sob sigilo pela Saúde, foram levantados pelo TCU em relatório obtido pelo jornal Folha de S.Paulo. Essas doses, compradas a R$ 1,23 bilhão, podem ser perdidas caso os imunizantes não sejam aplicados até lá.

São ao menos 26 milhões de unidades da Astrazeneca e 1,92 milhão de doses da Pfizer que perdem a validade nos próximos dois meses (11,72 milhões e 16,35 milhões vencem, respectivamente, em julho e agosto).

O Ministério da Saúde discute a inclusão permanente das vacinas contra a Covid-19 no PNI (Plano Nacional de Imunização), o que tornaria regular a aplicação de doses.

"[Em relação a] Todas as vacinas que fazem parte do calendário [permanente] do PNI temos total segurança de regularidade, sazonalidade e do entendimento adequado da doença como um todo. Cremos, e provavelmente vai acontecer, que a vacinação para a Covid-19 entrará no PNI", disse o secretário de Vigilância do Ministério da Saúde, Arnaldo Medeiros.

Saúde