Atentado reivindicado pelo EI deixa mais de cem mortos no Iraque

O pior ataque do ano na capital do Iraque

Bagdá, 3 Jul 2016 (AFP) - Ao menos 119 pessoas morreram e mais de 140 ficaram feridas neste domingo (3) em um atentado suicida em Bagdá, reivindicado pelo grupo Estado Islâmico (EI). Este é o pior ataque na capital iraquiana em 2016.

O atentado ocorreu em uma rua comercial do bairro de Karrada da capital iraquiana, onde muitas pessoas costumam fazer suas compras antes da festa do fim do Ramadã.

Khalid al Mousily/Reuters
Área comercial de Bagdá, onde terroristas detonaram um carro-bomba em 3 de julho de 2016

Segundo autoridades de segurança do país, ao menos 119 pessoas perderam a vida e mais de 140 ficaram feridas. Um balanço anterior informava sobre 75 mortos e 130 feridos.

O primeiro-ministro, Haider al Abadi, se dirigiu ao local do atentado e prometeu punir os responsáveis, mas os iraquianos estão furiosos diante da incapacidade do governo de impedir este tipo de ataque.

Um vídeo que circula nas redes sociais mostra homens lançando pedras contra um comboio que parece ser o de Abadi.

A explosão também provocou danos importantes. Vários imóveis e lojas foram arrasados pelas chamas, em incêndios que continuavam ativos doze horas após o atentado.

O EI reivindicou o ataque, afirmando que um de seus combatentes detonou um carro-bomba perto de uma reunião de muçulmanos xiitas, segundo o centro de acompanhamento de grupos terroristas SITE.

O ataque foi registrado uma semana após o EI ter perdido a cidade de Fallujah para as tropas governamentais iraquianas, apoiadas pela coalizão internacional liderada pelos Estados Unidos.

O atentado demonstra que, apesar das derrotas sofridas no Iraque e na Síria, o EI mantém sua capacidade operacional e é capaz de atacar longe de suas bases.

A única cidade principal que ainda está sob seu controle é Mossul (norte), segunda em importância no país. As tropas iraquianas lançaram várias ofensivas para recuperá-la.

O último ataque de grande porte do EI em Bagdá ocorreu em 17 de maio. Foi um duplo atentado que deixou 50 mortos e mais de 100 feridos.

O ocorrido neste domingo volta a colocar em evidência o governo iraquiano e sua capacidade para detectar e conter o grupo extremista. Muitos questionam a eficácia dos detectores de explosivos e dos controles para entrar na capital, considerando que não são suficientes.

O ataque acontece dois dias após o Pentágono anunciar a morte de dois chefes militares do EI em um ataque da coalizão perto de Mossul em 25 de junho.

No bombardeio, "morreram Basim Mohamed Sultan al-Bajari, o vice-ministro de guerra do EI, e Hatim Talib al-Hamduni, um comandante militar de Mossul", segundo a mesma fonte.

Eles eram considerados dois dos "principais responsáveis militares do EI no norte do Iraque", e sua morte permite "preparar o terreno para que as tropas iraquianas libertem Mossul com o apoio da coalizão".

Os Estados Unidos esperam concluir a campanha militar contra o grupo Estado Islâmico até o fim do verão de 2017.

Segundo o diretor da CIA, John Brennan, embora o EI tenha perdido terreno em seus redutos de Iraque e Síria, mantém intactas suas capacidades para cometer atentados terroristas.

"Na medida em que a pressão aumentar" sobre o EI em terra, acreditamos que intensificará seus esforços para manter sua posição de organização terrorista mais forte do mundo," disse Brennan em junho.

O enviado da ONU para o Iraque, por sua vez, condenou um "ato covarde e odioso de proporções sem igual" e convocou as autoridades a levar os responsáveis à justiça.
 

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos