Venezuela rejeita suspensão do Mercosul e proclama permanência

  • Xinhua/Presidencia de Venezuela

    Caracas refutou a decisão do Mercosul de suspender o país, integrante desde 2012

    Caracas refutou a decisão do Mercosul de suspender o país, integrante desde 2012

A Venezuela rejeitou a decisão dos países sócios do Mercosul de suspender seus direitos como Estado membro por descumprir normas comerciais e democráticas, o que representa a mais dura sanção de uma entidade internacional ao país em meio à crise interna.

Ao denunciar uma "lei da selva" que está "destruindo" o Mercosul, a chanceler Delcy Rodríguez disse nesta sexta-feira (2) que a Venezuela "não reconhece este ato írrito" de suspender seu país.

Rodríguez também lançou um desafio ao advertir que o rico país petrolífero --afundado em uma grave crise política e econômica-- "seguirá exercendo a presidência legítima (do Mercosul) e participará com direito a voz e voto em todas as reuniões como Estado Parte".

"Convocamos os povos do Mercosul a não deixarem arrebatar seus mecanismos de integração, sequestrados por burocratas intolerantes", escreveu Rodríguez em sua conta na rede social Twitter.

A suspensão ocorreu após a conclusão na quinta-feira (1º) do prazo de três meses que os fundadores do grupo - Brasil, Argentina, Paraguai e Uruguai - deram ao governo de Nicolás Maduro para que incorporasse a sua legislação uma série de disposições comerciais e políticas, incluindo uma relacionada aos direitos humanos.

A Venezuela --que entrou no bloco em 2012-- sustenta que alguns dos compromissos de adesão se chocam com suas normas internas, embora na terça-feira (29) tenha dito estar disposta a assinar um dos convênios comerciais pendentes, relacionado às tarifas comuns e à livre circulação de bens.

Consequentemente, os demais sócios enviaram a ela um "comunicado" para indicar que seus direitos no bloco "estão suspensos", informou na quinta-feira (1º) à AFP uma fonte do governo brasileiro.

Rodríguez indicou que "esta notificação não existe" e a chamou de "falsa". De acordo com a fonte brasileira, a informação não foi divulgada publicamente porque provavelmente "ainda não foi recebida" oficialmente em Caracas.

A suspensão vinha sendo desenhada desde que os outros Estados membros bloquearam em julho o acesso do país caribenho à presidência semestral do grupo. Em setembro decidiram ocupar a vaga de forma colegiada, ao lançar o ultimato.

A suspensão "foi natural, era esperada", disse a fonte.

Venezuela denuncia "perseguição"

A oposição venezuelana assegurou que a medida também ocorre porque Maduro "desconhece" o Parlamento --sob controle adversário-- que deveria referendar os acordos de adesão.

Em meio a uma dura troca de farpas com seus sócios, a Venezuela disse que na quarta-feira (30) ativou um mecanismo de resolução de controvérsias do bloco ante o que chamou de "agressões e perseguição" pelo "desconhecimento" de sua presidência pro tempore.

"Pedimos (...) aos países que violam a institucionalidade do Mercosul que se abstenham de qualquer ação contra nosso país", disse Rodríguez na quinta-feira (1º) no Twitter.

Maduro proclamou em várias ocasiões a determinação da Venezuela em permanecer no bloco. "Se nos tirarem pela porta, entraremos pela janela", advertiu.

Embora os membros do Mercosul não vinculem diretamente a sanção com a crise interna, ela representa a censura mais forte de uma entidade internacional contra a Venezuela em meio às tensões políticas e à crise econômica, agravada pela queda dos preços do petróleo.

O presidente venezuelano acusa especialmente a Argentina, Brasil e Paraguai de formar uma "aliança" para destruir a "revolução bolivariana", fundada pelo falecido Hugo Chávez (1999-2013).

Os três países denunciaram violações dos direitos humanos por parte do governo de Maduro como a prisão de opositores políticos.

Mas mesmo antes de se juntar ao bloco, a Venezuela era vista como um parceiro estranho pelo Paraguai, cuja suspensão em 2012 abriu o caminho para a entrada dos venezuelanos.

Tudo aconteceu depois de um julgamento parlamentar que derrubou o presidente Fernando Lugo, um aliado de Chávez.

"A Venezuela entra no Mercosul através de uma janela, e não uma porta (...), como parte de um movimento que começou no Paraguai para colocar a Venezuela de maneira indigna", disse nesta sexta-feira o secretário-executivo da coalizão de oposição Mesa da Unidade Democrática (MUD), Jesus Torrealba.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Newsletter UOL

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos