Número de pessoas sem-teto em Nova York aumenta 39% em um ano

Nova York, 6 Jul 2017 (AFP) - O número de pessoas sem-teto na cidade de Nova York subiu 39% em um ano, chegando a 3.892, o seu máximo em 12 anos, segundo dados publicados na quarta-feira pelo Departamento de Serviço às Pessoas Sem Domicílio Fixo.

O departamento explicou que o número representa a quantidade de pessoas sem lar em uma noite de inverno, em 6 de fevereiro, a maior contagem desde 2005, deixando aparente as imensas desigualdades de renda em Nova York, a cidade com mais bilionários do mundo.

As autoridades atribuem o aumento a um inverno mais quente, alta dos aluguéis a um ritmo superior ao dos salários e à pouca disponibilidade de casas a preços razoáveis, o que provocou uma crise habitacional.

A renda média por lar aumentou 4,8% comparada com a alta de 18,3% dos aluguéis entre 2005 e 2015, disse o departamento.

"Embora saibamos que temos muito a fazer, continuamos abrindo mais abrigos para pessoas sem-teto e oferecendo mais programas aos nova-iorquinos para ajudá-los a fazer a transição das ruas para uma casa permanente", disse o prefeito da cidade, Bill de Blasio.

A ONG Coalition for the Homeless informou que cerca de 60.000 pessoas dormem em abrigos a cada noite - incluindo 22.000 crianças -, e que nos anos recentes a taxa de cidadãos sem-teto alcançou cifras nunca vistas desde a Grande Depressão que seguiu a crise de 1929.

Em novembro de 2015, De Blasio anunciou um plano de 2,6 bilhões de dólares para construir novos lares para os mais vulneráveis em 15 anos.

O departamento declarou na quarta-feira que as primeiras 500 unidades estarão prontas neste ano.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos