PIB é um indicador antiquado e pouco confiável

Davos, Suíça, 26 Jan 2018 (AFP) - O Produto Interno Bruto (PIB), um indicador que pode derrubar governos, ou vencer eleições, é um instrumento antiquado e pouco confiável, que incita um crescimento desenfreado, sem considerar as desigualdades - apontam economistas.

O debate sobre sua utilidade e a necessidade de substituí-lo ganhou força nos últimos anos e veio à tona no Fórum Econômico Mundial (WEF, na sigla em inglês) de Davos.

"Está surgindo um consenso para dizer que as estatísticas que se usaram até agora não funcionam mais", explicou à AFP a economista britânica Diane Coyle, da Universidade de Manchester.

Muitos especialistas defendem alternativas, como o Índice de Desenvolvimento Humano (IDH), uma iniciativa da ONU.

A ideia de Coyle e de outros economistas é somar aos dados econômicos brutos - os únicos considerados no PIB - outros sistemas de medição da educação, de aptidões pessoais, ou do "capital intangível", como os dados, ou as patentes produzidos por um país.

Também precisariam ser incluídos aspectos sobre a qualidade do meio ambiente e o "capital social", que mede a união, ou a divisão, de um país.

As novas tecnologias dificultam ainda mais o cálculo da riqueza. Recursos como a Wikipédia, acessíveis no mundo todo, não têm nenhum valor no cálculo do PIB.

Este índice tampouco inclui o mercado negro, importante fonte de renda em muitas regiões do mundo, nem pode medir a distribuição de riqueza dentro de um único país.

A consequência é que um PIB crescente não é sempre sinônimo de que a riqueza beneficie a todos.

O PIB foi criado em 1934 pelo economista Simon Kuznets para ajudar os Estados Unidos após a Grande Depressão e mede o valor dos bens e serviços produzidos em um país.

- Noruega, país mais rico do mundo? -"Temos que encontrar um novo mecanismo para incluir partes muito maiores da população e usar sistemas diferentes para medir o sucesso de um país", opinou Inga Beale, diretora-executiva do Lloyd's of London, maior mercado de seguros do mundo, à emissora CNBC.

O PIB é considerado um instrumento rudimentar para medir o crescimento e despertou críticas de prêmios Nobel de economia, como Joseph Stiglitz e Amartya Sen, e da diretora-geral do Fundo Monetário Internacional (FMI), Christine Lagarde.

Contudo, o índice continua a reinar em alguns países, como a China, onde virou símbolo de sua riqueza crescente.

Após décadas de crescimento instável, o gigante asiático é hoje a segunda maior economia do mundo, atrás dos Estados Unidos, segundo seu PIB - algo que também lhe confere prestígio e poder na esfera internacional.

Muitos economistas propõem a inclusão do fator humano.

Em Davos, onde foi celebrado nesta semana o WEF, foi proposto um novo Índice Inclusivo de Desenvolvimento, com aspectos ambientais.

Segundo esse índice, a Noruega é o país mais rico do mundo, em um top 10 que inclui pequenas nações europeias e a Austrália. Nesta medição, os Estados Unidos ocupam o 23º lugar, e a China, o 26º.

Segundo a professora Diane Coyle, não é preciso que os países mudem drasticamente seus sistemas de cálculo da riqueza para considerar aspectos ligados ao meio ambiente.

"Basta respirar o ar em Pequim para se dar conta dos custos", completou.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

UOL Newsletter

Para começar e terminar o dia bem informado.

Quero Receber

UOL Cursos Online

Todos os cursos