PUBLICIDADE
Topo

EI expulsa forças apoiadas pelos EUA de seu último reduto no leste da Síria

Forças iraquianas durante ofensiva contra o Estado Islâmico em fevereiro de 2017 - Bram Janssen/AP Photo
Forças iraquianas durante ofensiva contra o Estado Islâmico em fevereiro de 2017 Imagem: Bram Janssen/AP Photo

28/10/2018 09h43

Beirute, 28 Out 2018 (AFP) - O grupo extremista Estado Islâmico (EI) expulsou as Forças Democráticas Sírias (FDS), apoiadas pelos Estados Unidos, de seu último reduto no leste da Síria, informou neste domingo (28) a ONG Observatório Sírio dos Direitos Humanos (OSDH).

Um comandante das FDS, formadas por combatentes curdos e árabes, confirmou, na condição de anonimato, a retirada do reduto de Hajin, sete semanas após o início de uma ofensiva para expulsar o EI desta região próxima da fronteira com o Iraque.

As FDS, apoiadas pela coalizão internacional anti-EI dirigida por Washington, iniciaram em 10 de setembro a última etapa de uma ofensiva destinada a acabar com a presença do grupo extremista em seu último reduto na província de Deir Ezor.

As FDS começaram ganhando terreno, mas na semana passada a situação se tornou complicada, entre outras coisas porque uma tempestade de areia dificultou a cobertura aérea durante os combates em terra.

Na sexta-feira (26), o EI executou vários contra-ataques que obrigaram as FDS a abandonar todas as posições que haviam ocupado.

"Com seus contra-ataques entre sexta-feira à noite e a madrugada de domingo, o EI arrebatou das FDS todas as posições conquistadas no reduto de Hajin", afirmou à agência de notícias AFP o diretor do OSDH, Rami Abdel Rahman.

De acordo com a ONG, 72 combatentes das FDS morreram nos ataques executados com cinturões de explosivos e carros-bomba. O OSDH citou 24 jihadistas mortos.

O comandante das FDS atribuiu as derrotas ao desconhecimento do terreno e às tempestades de areia. Ao contrário do EI, "nossas forças não conhecem a região e não podem deslocar-se em condições de visibilidade nula", explicou à AFP.

"Enviamos reforços militares e armas pesadas à frente e algumas unidades foram substituídas por outras mais experientes", completou o comandante. "Vamos iniciar uma nova campanha militar quando os reforços chegarem", disse.

Desde 10 de setembro, os combates provocaram quase 500 mortos entre os extremistas e 300 nas FDS, segundo o OSDH. O EI conquistou em 2014 amplas zonas do território sírio, mas perdeu quase tudo.

Desde 2011, a guerra na Síria deixou mais de 360.000 mortos e obrigou quase metade da população a fugir de suas casas.

Esposas do Estado Islâmico: por que me aliei ao califado na Síria

BBC Brasil