Topo

Renúncias deixam vazio de poder na Bolívia; sucessão de Morales é incógnita

Evo Morales e outras autoridades da linha de sucessão renunciaram hoje  - Aizar Raldes/AFP
Evo Morales e outras autoridades da linha de sucessão renunciaram hoje Imagem: Aizar Raldes/AFP

Em La Paz

10/11/2019 21h32

O governo da Bolívia ficou acéfalo hoje após a renúncia do presidente Evo Morales e das demais autoridades que formavam a linha de sucessão constitucional. A Constituição boliviana estabelece que a sucessão começa com o vice-presidente, depois passa ao titular do Senado, seguida pelo titular da Câmara dos Deputados, mas todos renunciaram.

A renúncia do vice-presidente Álvaro García, da presidente do Senado, Adriana Salvatierra, e do titular da Câmara dos Deputados, Víctor Borda, provocou um vazio de poder no país.

A incógnita é quem sucederá Morales na presidência, que renunciou após três semanas de protestos contra sua questionada reeleição nas eleições de 20 de outubro e depois de perder o apoio das Forças Armadas e da Polícia.

O advogado constitucionalista Williams Bascopé, próximo ao movimento que derrubou Morales, acredita que o Congresso deve buscar uma solução elegendo primeiro os novos chefes de ambas as casas do Congresso.

"Como há ausência de presidente dos senadores e deputados, têm que se convocar imediatamente os deputados e senadores, têm que eleger seus presidentes", disse o advogado.

A presidência da Bolívia pode ser ocupada interinamente por um senador, eleito em um acordo dos partidos políticos e os movimentos civis que impulsionaram os protestos.

Seja quem for, o presidente provisório deverá organizar um gabinete de consenso e convocar eleições o mais breve possível.

A titular do Senado que renunciou, Adriana Salvatierra, disse ao canal ATB que "tem que se construir um caminho institucional que permita reorientar o marco de funcionamento" do Congresso e "também a condução do Estado de forma transitória".

A sessão para escolher novos chefes do legislativo será convocada por uma das duas casas do Congresso, provavelmente amanhã.

O partido de Morales controla atualmente ambas as casas do Congresso, razão pela qual Bascopé pediu para que "os opositores não se desmobilizem" das ruas.

Notícias