PUBLICIDADE
Topo

Incêndios na Sibéria começam a afetar cidades russas

16/07/2020 14h14

Moscou, 16 Jul 2020 (AFP) - Os bombeiros russos tentam apagar mais de 200 incêndios registrados na Sibéria e que afetaram nesta quinta-feira (16) a periferia de várias cidades russas, algumas delas literalmente imersas na fumaça.

Uma das cidades mais afetadas pelos incêndios, que são registrados todos os anos mas que estão se tornando cada vez mais graves devido, segundo os cientistas, ao aquecimento global, é Yugorsk, localizada 1.600 km ao nordeste de Moscou, onde um grupo de mais de 100 bombeiros e voluntários combatem as chamas.

"O fogo não ameaça as casas, mas a fumaça entrou na cidade", disse à AFP Alexeï Maksimeniouk, uma autoridade municipal.

Em Iakutsk, cidade de mais de 300.000 habitantes na Sibéria oriental, fotos e vídeos publicados nas redes sociais mostram uma nuvem cinza de fumaça que envolve as ruas e casas.

No total, os quase 200 focos se espalharam por 43.000 hectares, mas há outros 380.000 hectares que foram devastados pelas chamas e nos quais não há bombeiros, já que a política oficial, frequentemente criticada, é de não apagar incêndios em áreas isoladas e desabitadas.

Essa política foi muito criticada no ano passado, quando a fumaça chegou até algumas das cidades mais populosas da Sibéria. O presidente russo Vladimir Putin enviou o exército para apagar os focos de incêndio.

Este ano, os incêndios estão mais intensos e abundantes devido à onda de calor provocada pela mudança climática. Mas grupos ambientalistas também apontam que a má gestão das florestas russas e a falta de recursos financeiros dedicados a elas contribuem para os incêndios.

Um deputado do Parlamento que representa a região de Yakutia, Fedot Toumousov, pediu mais financiamento.

"Imagino que terei que voltar a escrever cartas para pedir que prestem atenção no problema, porque a fumaça não chegará em Moscou", afirmou em sua página do Facebook.

Hoje, o primeiro-ministro Mijáil Mishustin anunciou que desbloqueará 2,6 bilhões de rublos (US$ 36,5 milhões) para ajudar as regiões afetadas pelos incêndios.

ma-pop/alf/ia/bl/es/mb/aa