PUBLICIDADE
Topo

Conteúdo publicado há
1 mês

Família de Malcolm X pede para reabrir investigação sobre seu assassinato

Novas evidências sobre a morte de Malcolm X foram mostradas em entrevista coletiva sobre o caso - David Dee Delgado / GETTY IMAGES NORTH AMERICA / AFP
Novas evidências sobre a morte de Malcolm X foram mostradas em entrevista coletiva sobre o caso Imagem: David Dee Delgado / GETTY IMAGES NORTH AMERICA / AFP

21/02/2021 19h08

Nova York, 21 Fev 2021 (AFP) - As filhas do ativista afro-americano Malcolm X pediram que a investigação sobre seu assassinato seja reaberta à luz de novos depoimentos envolvendo a Polícia de Nova York e o FBI.

Consultado pela AFP neste domingo (21), um porta-voz da procuradoria de Manhattan disse que o "exame" do recurso estava "em andamento".

Durante uma coletiva de imprensa, foi apresentada uma carta escrita por um ex-policial de Nova York, já falecido, em que ele acusa a polícia e o FBI de serem cúmplices no assassinato.

Segundo seu primo, o agente, que era negro e trabalhava disfarçado, afirma ter se aproximado, a pedido de seus superiores, da comitiva de Malcolm X e ter capturado dois de seus guarda-costas, presos poucos dias antes do assassinato.

Em 21 de fevereiro de 1965, El-Hajj Malik El-Shabazz, nome verdadeiro de Malcolm X, estava sem seus dois guarda-costas quando apareceu para um discurso no Audubon Ballroom, um salão de apresentações em Manhattan, antes de ser atingido por três atiradores.

De maneira mais geral, o ex-policial, que queria que seu depoimento se tornasse público apenas após sua morte, alega que a Polícia de Nova York (NYPD) e o FBI mantiveram certos aspectos do caso em segredo.

Em fevereiro de 2020, após o lançamento do documentário da Netflix "Quem matou Malcolm X?", o procurador de Manhattan, Cyrus Vance, pediu a suas equipes que analisassem o caso para determinar se a investigação deveria ser reaberta ou não.

Procurada neste domingo pela AFP, a Polícia de Nova York informou que comunicou ao Ministério Público "todos os autos relativos a este caso". A NYPD "está disposta a contribuir para esta revisão de qualquer maneira", disse.

Já o escritório do FBI em Nova York não respondeu à AFP.

"Qualquer coisa que esclareça esta terrível tragédia deve ser considerada com cuidado", afirmou Ilyasah Shabazz, uma das três filhas de Macolm X, presente na coletiva.

tu/lpt/dg/yow/ic