PUBLICIDADE
Topo

Conteúdo publicado há
1 mês

Brasil vive dia de manifestações pró-Bolsonaro

15/05/2021 18h27

São Paulo, 15 Mai 2021 (AFP) - Caminhões de todo o país chegaram a Brasília neste sábado(15) para uma manifestação de apoio ao presidente Jair Bolsonaro, que convocou mobilizações em várias capitais brasileiras em reação à sua perda de popularidade e às críticas por sua gestão da pandemia.

"Cristãos e ruralistas se unem em apoio ao presidente Bolsonaro" publicaram em suas redes sociais a chamada "Marcha da Família Cristã pela Liberdade", que promove a ação convocada em quase todas as capitais do país, que continua contando mais de 2.000 mortes por dia devido à covid-19.

O Brasil, com mais de 430 mil mortes pela pandemia, número superado apenas pelos Estados Unidos, enfrenta dificuldades para adquirir as vacinas necessárias para imunizar sua população de 212 milhões de pessoas.

Bolsonaro, que minimizou a doença chamando-a de "gripezinha" e questionou a eficácia das vacinas, viu sua popularidade cair para o mínimo histórico de 24%, segundo pesquisa publicada esta semana pelo Datafolha, que também revela que 49% dos brasileiros são a favor do impeachment, enquanto 46% são contra.

A pesquisa, que coloca o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva como o favorito para vencer as eleições de 2022, foi divulgada enquanto uma comissão do Senado investiga sua gestão caótica da pandemia.

Bolsonaro reagiu desqualificando senadores e convocando manifestações para demonstrar força política.

"Estamos aqui apoiando o nosso presidente. Precisamos de apoio, porque na pandemia a agricultura não parou", disse Carine de Souza, produtora rural do Mato Grosso.

Bolsonaro sobrevoou a manifestação em um helicóptero e apareceu a cavalo para se encontrar com as dezenas de milhares de seguidores de seu núcleo mais duro que começaram a se reunir cedo na Esplanada dos Ministérios, em Brasília.

Ele agradeceu aos ruralistas e caminhoneiros e voltou a atacar "alguns governadores e prefeitos" que impuseram medidas de restrição à circulação para conter a pandemia.

Em um breve discurso, o presidente voltou também à acusação contra o sistema de votação eletrônica, que coloca em dúvida sem apresentar provas. Referindo-se a Lula, afirmou que "se não tivermos o voto auditável, esse canalha pela fraude ganha as eleições do ano que vem".

A defesa do voto impresso também foi central na pequena manifestação em São Paulo, onde menos de uma centena de pessoas lotaram a Avenida Paulista vestidas com as cores da bandeira nacional.

"O voto impresso é a garantia que o povo tem para garantir a democracia", disse Arlette Oliveira, de 68 anos, no protesto ao qual compareceu com um cartaz defendendo essa ideia.

Em outras capitais, pequenas mobilizações responderam ao apelo do presidente.

Além de defender o voto impresso, os manifestantes se concentraram na defesa de uma agenda religiosa e se manifestaram contra o STF e o Congresso, instituições que têm servido de contrapeso à insistência de Bolsonaro em contestar às medidas de quarentena de governadores e prefeitos para coibir a propagação da covid-19.

pr/jc/ic