PUBLICIDADE
Topo

Conteúdo publicado há
1 mês

Agredidos, ameaçados, eletrocutados: policiais dos EUA relatam invasão do Capitólio

Apoiadores de Donald Trump invadem Capitólio para protestar contra resultado das eleições nos EUA - SHANNON STAPLETON/REUTERS
Apoiadores de Donald Trump invadem Capitólio para protestar contra resultado das eleições nos EUA Imagem: SHANNON STAPLETON/REUTERS

27/07/2021 17h52

Atacados com suas próprias armas, vítimas de crimes raciais e temendo por suas vidas: policiais dos EUA descreveram nesta terça-feira (27) os atos de violência perpetrados por apoiadores do ex-presidente Donald Trump, durante a invasão do Capitólio, no primeiro dia de audiências no Congresso.

"Batalha medieval"

O Sargento da Polícia do Capitólio Aquilino Gonell, um veterano de combate das forças armadas dos EUA no Iraque, disse que foi agredido por atacantes armados e sofreu vários ferimentos que exigiram hospitalização.

"No Iraque, esperávamos violência armada, porque estávamos em uma zona de guerra. Nada em minha experiência como militar ou como policial me preparou para o que enfrentamos em 6 de janeiro", declarou ele na audiência na Câmara dos Deputados.

"Parecia uma batalha medieval. Lutamos de mãos dadas, centímetro por centímetro para evitar a invasão", disse Aquilino Gonell entre lágrimas.

"É assim que vou morrer, defendendo esta entrada", lembra-se de ter pensado.

"Eu poderia ter perdido a vida naquele dia. Não uma, mas muitas vezes", concluiu.

"Arrancaram meu distintivo"

O oficial da Polícia Metropolitana de Washington Michael Fanone,classificou a invasão, que visava impedir o Congresso de certificar a vitória do democrata Joe Biden nas eleições presidenciais, como "nada menos que brutal".

"Eles me agarraram, golpearam, me eletrocutaram. Tudo isso enquanto me chamavam de traidor de meu país", disse ele.

"Em algum momento durante os distúrbios, me puxaram da fila de agentes para a multidão", lembrou.

"Arrancaram meu distintivo (...) Apreenderam a munição que estava presa ao meu corpo. Eles começaram a me bater com os punhos e com o que pareciam ser objetos de metal duro", disse Fanone, que sofreu uma forte concussão no ataque.

Um atacante "repetidamente se lançou sobre mim e tentou pegar minha arma de fogo. Eu ouvi gritos de alguns na multidão, 'pegue sua arma e o mate com sua própria arma'", disse ele, ao denunciar a negação de Trump sobre o que aconteceu naquele dia.

"A indiferença demonstrada aos meus colegas é vergonhosa", acrescentou.

"Terroristas"

O oficial da Polícia Metropolitana de Washington, Daniel Hodges, que foi filmado sendo imprensado contra o batente de uma porta, gritando por socorro, enquanto os agressores lutavam para entrar no Capitólio, os chamou de "terroristas".

"Os terroristas tinham uma parede de escudos que roubaram dos policiais, assim como cassetetes roubados".

Preso contra a porta, Hodges disse que um homem jogou um escudo contra ele.

"Meus braços estavam imobilizados e efetivamente inúteis (...) Eu estava efetivamente indefeso", lembrou ele. "Um homem vê a oportunidade da minha vulnerabilidade, agarrou a frente da minha máscara de gás e a usou para bater minha cabeça contra a porta".

"O homem na minha frente pegou meu cassetete (...) Me bateu na cabeça e no rosto com ele, abrindo meu lábio e causando ferimentos adicionais no meu crânio (...) Eu fiz a única coisa que podia fazer: gritar para obter ajuda".

Insultos racistas

Harry Dunn, um agente negro da Polícia do Capitólio, disse que a multidão o ameaçou por causa de sua cor e deixou a ele e seus colegas negros traumatizados.

"Até então, eu nunca tinha visto ninguém agredir fisicamente um oficial da Polícia do Capitólio ou do MPD. Muito menos presenciar ataques massivos contra policiais", disse ele.

"Fui testemunha de como os manifestantes usaram todo tipo de arma contra os policiais, incluindo mastros de bandeiras, bicicletários de metal que haviam destruído e vários tipos de projéteis", explicou o agente.

A certa altura, vários agressores o cercaram, dirigindo-lhe insultos racistas.

"Ninguém jamais me chamou de (epíteto) enquanto usava o uniforme de policial do Capitólio", lamentou.

"Nunca mais podemos permitir que nossa democracia seja ameaçada como aconteceu em 6 de janeiro", disse ele.