PUBLICIDADE
Topo

Conteúdo publicado há
1 mês

Homem julgado por morte de jogador argentino limita seu envolvimento a 'questão de papelada'

26/10/2021 15h10

Londres, 26 Out 2021 (AFP) - A defesa do homem julgado por ter organizado o voo em que morreu o jogador de futebol argentino Emiliano Sala, em 2019, garantiu nesta terça-feira (26) que o seu envolvimento no caso se limitava a "uma simples questão de papelada", rejeitando qualquer imprudência.

David Henderson, de 67 anos, está sendo julgado por um tribunal em Cardiff, no País de Gales, por eventual imprudência ou negligência suscetível de ter colocado em perigo a aeronave em que o jogador de 28 anos viajava da França para se incorporar ao elenco do clube Cardiff City, que acabara de contratá-lo.

Em suas alegações finais, o advogado Stephen Spence negou que seu cliente tivesse agido de maneira "imprudente", afirmando que as violações de regulamento alegadas contra ele se referiam "puramente a uma questão de papelada", e que isso não teria realmente levado a comprometer a segurança do voo.

Inicialmente, Henderson deveria ter pilotado a aeronave, que se envolveu em um acidente fatal no Canal da Mancha, em 21 de janeiro de 2019. No entanto, ele estava ocupado e, em seu lugar, foi designado David Ibbotson, o piloto que também morreu no acidente.

Ibbotson, por sua vez, não tinha habilitação de piloto comercial, sua qualificação para o tipo de aeronave usada no voo havia expirado e ele não tinha a competência necessária para voar durante a noite.

Spence assinalou que Ibbotson, um piloto experiente, com mais de 3.500 horas de voo, era "legalmente responsável pela segurança" da viagem.

O advogado também apontou que a única diferença entre uma habilitação comercial e uma privada se refere à possibilidade de cobrar dos passageiros e que não tem a ver com as capacidades do piloto.

O certificado de transportador aéreo, que não é "mais que um pedaço de papel mágico que lhe permite cobrar das pessoas", segundo Spence, "não tem muita relação com o perigo ou a ausência de perigo".

"Se você é rico, pode transportar sem certificado em seu jato a sua família, seus amigos e colegas, com a condição de que eles não paguem" pelo voo, acrescentou.

Em seu relatório definitivo, publicado em março de 2020, os investigadores britânicos sobre acidentes aéreos estimaram que o piloto tinha perdido o controle da aeronave durante uma manobra efetuada a uma velocidade muito elevada, "provavelmente" destinada a evitar o mau tempo.

O corpo de Emiliano Sala, cujo desaparecimento comoveu o mundo do futebol, foi encontrado mais de duas semanas depois do acidente. Seus restos mortais foram repatriados em fevereiro de 2019 para a Argentina.

cdu/gmo/dr/rpr