PUBLICIDADE
Topo

Conteúdo publicado há
1 mês

Fundadora da Theranos acusa ex-namorado e sócio de abusos sexuais

30/11/2021 06h11

San Francisco, 30 Nov 2021 (AFP) - A ex-estrela da biotecnologia Elizabeth Holmes, que está sendo julgada por fraude, denunciou abusos sexuais sofridos por parte de seu ex-sócio e ex-namorado Ramesh "Sunny" Balwani, que comandava a parte operacional de sua falida empresa Theranos de análises de sangue.

Elizabeht Holmes afirmou aos jurados, com lágrimas, que o ex-namorado, que ela contratou para ajudar a dirigir a Theranos, a criticava constantemente e abusou sexualmente dela.

"Ele ficava muito irritado comigo e depois vinha ao nosso quarto e me obrigava a ter sexo contra minha vontade", disse Holmes no tribunal de San José (Califórnia), onde está sendo julgada desde setembro.

Holmes tinha 19 anos em 2003 quando fundou a empresa Theranos, que prometia técnicas de análises de sangue mais rápidas e baratas que as dos laboratórios tradicionais.

Porém, as máquinas nunca funcionaram e os investidores perderam milhões de dólares.

Longe da líder carismática que convenceu várias personalidades do mundo empresarial sobre o potencial de sua tecnologia, Elizabeth Holmes contou na segunda-feira sua história sob o prisma da influência que afirma ter sofrido por parte do ex-sócio, 19 anos mais velho que ela.

Elizabeth Holmes declarou ao tribunal que Balwani a controlava de perto, decidia sua alimentação e seu horário, além de afastá-la da família.

Homes exibiu mensagens de texto em que Balwani afirmava que que queria "matar a velha Elizabeth" e criar uma nova pessoa.

"Ele gritava, dizendo que estava decepcionado com a minha mediocridade", disse Holmes, com a voz embargada.

A relação prosseguiu até 2016, quando ela decidiu abandonar Ramesh Balwani e recrutar uma nova diretoria.

Em 2015, as investigações do Wall Street Journal revelaram que os métodos que deveriam permitir até 200 análises a partir de algumas gotas de sangue não funcionavam

Os advogados de Elizabeth Holmes tentaram estabelecer para o júri a imagem de uma jovem e visionária inovadora, determinada a revolucionar o diagnóstico de sangue.

Eles tentaram demonstrar sua boa-fé e refutar as acusações de que escondeu os problemas dos investidores.

A Promotoria, que a interrogará a partir desta terça-feira, quer demonstrar que ela supervisionou de perto todas as atividades da empresa.

Se for considerada culpada, Holmes pode ser condenada a décadas de prisão.

gc/sw/mtp/zm/fp