PUBLICIDADE
Topo

Internacional

Conteúdo publicado há
3 meses

Impunidade em caso de violência de gênero gera revolta na China

Chinês recebeu punição irrisória após ser flagrado agredindo a esposa - Getty Images/iStockphoto
Chinês recebeu punição irrisória após ser flagrado agredindo a esposa Imagem: Getty Images/iStockphoto

25/01/2022 06h40

Pequim, 25 Jan 2022 (AFP) - A punição irrisória aplicada a um homem na China gravado agredindo sua esposa e o fato de a polícia ter culpado, em parte, a vítima causaram indignação sobre como estes casos são tratados pelas autoridades.

Os fatos ocorreram na semana passada durante o confinamento pelo coronavírus na cidade de Xi'an, no norte. Um homem foi gravado pelas câmeras de segurança de sua casa batendo repetidamente em sua mulher, na frente do filho.

A polícia anunciou que o homem permaneceria sob custódia por cinco dias e depois seria solto, reacendendo o debate sobre o ineficaz e precário sistema de criminalização da violência de gênero na China.

A revolta aumentou depois de um comunicado da polícia, informando que a briga aconteceu pelas "palavras e ações extremas" da mulher e que, desde então, ela já havia sido "criticada e educada".

"Os abusadores domésticos são punidos apenas com cinco dias de detenção, e depois se perguntam por que as mulheres chinesas não querem se casar, ou ter filhos", dizia um comentário publicado no Weibo, o "Twitter chinês".

"Não serve para nada confiar na lei para obter proteção contra violência doméstica quando tudo que eles fazem é criticar a vítima", comentou outro usuário.

O ataque causou "lesões nos tecidos moles" da mulher, disse a polícia sem dar mais detalhes.

Aprovada em 2016, a lei de violência doméstica da China pune os agressores com, no máximo, 20 dias de detenção. Penas maiores estão previstas apenas se houver lesões graves, e o dolo ficar comprovado.

Internacional