Pequim acusa Washington de aumentar tensão no Mar da China Meridional

A China afirmou nesta segunda-feira (4) que o governo dos Estados Unidos é responsável por "atiçar deliberadamente" a tensão no Mar da China Meridional, depois que um navio militar americano navegou por águas reivindicadas por Pequim.

"Em 4 de dezembro, o navio de combate USS Gabrielle Giffords entrou ilegalmente nas águas adjacentes ao recife Ren'ai, na região chinesa de Nansha, sem a aprovação do governo chinês", afirmou Tian Junli, porta-voz do Comando Sul da China.

O banco de areia Ayungin, que a China chama de recife Ren'ai, fica a 200 km da ilha filipina de Palawan e a mais de 1.000 km do território chinês mais próximo, a ilha Hainan.

As Forças Armadas chinesas "acompanharam toda a operação" nesta segunda-feira, disse Tian. Ele afirmou ainda que "a agitação deliberada do Mar da China Meridional por parte dos Estados Unidos é uma grave violação da soberania e segurança da China".

"Os soldados no cenário de comando mantêm sempre um elevado estado de alerta, defendendo resolutamente a soberania e a segurança nacionais".

A China ignora uma decisão de 2016 da Corte Permanente de Arbitragem de Haia, segundo a qual as reivindicações do país sobre quase todo o mar da região não têm base jurídica.

pfc/je/sco/mas/ag/fp

© Agence France-Presse

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes