Shenzhen, a cidade chinesa dos ônibus elétricos

Shenzhen, a grande cidade tecnológica do sul da China, tem 18 milhões de habitantes e uma rede de ônibus públicos 100% elétricos, um verdadeiro laboratório da transição energética.

Shenzhen foi a primeira grande cidade do mundo a optar, em 2017, por ônibus totalmente elétricos, que transportam os passageiros de forma silenciosa e sem emitir CO2.

A cidade, na fronteira com Hong Kong e sede de várias empresas do setor de tecnologia, também eletrificou a maioria de seus táxis.

A China é o maior emissor mundial de gases do efeito estufa e continua muito dependente do carvão para a produção de energia elétrica. Mas também é o país que mais investe em energias renováveis.

Seguindo a política de Shenzhen, outras cidades chinesas anunciaram o objetivo de adotar sistemas de transportes limpos até 2025.

A um mês do início da COP28 de Dubai, o caso desta cidade demonstra que é possível eletrificar rapidamente o transporte público, o que contrasta com a lentidão registrada nos países ocidentais.

Os ônibus contribuem menos para o aquecimento global que os carros e os caminhões. A Agência Internacional de Energia (AIE) calcula em 5% a redução potencial das emissões provocadas pelos ônibus, em um cenário de neutralidade de carbono até 2050.

Além disso, os ônibus elétricos melhoram imediatamente a qualidade do ar para os moradores de uma cidade.

A China é atualmente uma exceção no setor. O país representa mais de 90% dos ônibus e caminhões elétricos do mundo, segundo dados de 2021 do Conselho Internacional de Transporte Limpo (ICCT, na sigla em inglês). 

Continua após a publicidade

A transformação "não aconteceu de um dia para o outro. Exige muitos anos de planejamento e grandes obras de infraestruturas", disse à AFP Elliot Richards, especialista em veículos elétricos.

Richards destaca as limitações existentes no restante do mundo para reproduzir a experiência chinesa, incluindo as limitações de gastos públicos, assim como os obstáculos à construção das instalações apropriadas em cidades antigas e saturadas.

- "Fáceis de utilizar" -

Em um estacionamento de ônibus de Shenzhen, o motorista Ou Zhenjian afirma que sentiu uma "grande diferença" com a mudança para o veículo elétrico.

O trabalhador com 18 anos de experiência disse que os ônibus são "realmente confortáveis (...) fáceis de utilizar e respeitam o meio ambiente. Não fazem barulho e é ótimo dirigir assim".

"Hoje podemos dizer que nossos ônibus elétricos têm o mesmo rendimento que os ônibus a diesel", declarou à AFP o vice-diretor da rede de ônibus de Shenzhen, Ethan Ma.

Continua após a publicidade

Com rendimento similar, as emissões de um ônibus elétrico em sua vida útil (que inclui sua fabricação e a de sua bateria) são 52% inferiores às de um ônibus a diesel, segundo estudo específico do Banco Mundial sobre o caso de Shenzhen.

Esta pegada de carbono leva em consideração que metade da energia elétrica em Shenzhen é gerada com carvão. No total, os ônibus elétricos da cidade permitem poupar 194.000 toneladas de CO2 por ano.

- Uma aposta política -

No estudo, o Banco Mundial observa que a mudança "não depende apenas da tecnologia, mas também da vontade política".

O país investiu em larga escala no setor, o que permitiu a criação de grandes empresas de veículos elétricos, como a montadora BYD, líder mundial no segmento e que tem sede em Shenzhen.

Uma situação à qual a União Europeia reagiu com a abertura de uma investigação por supostas ajudas estatais ilegais, que permitiriam aos fabricantes chineses manter preços artificialmente baixos para ganhar uma parcela de mercado.

Continua após a publicidade

Em Guangdong, a província da qual Shenzhen faz parte, várias cidades já optaram por ônibus 100% elétricos. A capital, Pequim, e Xangai também iniciaram o processo.

A produção de energia elétrica na China ainda depende, no entanto, em 60% do carvão. Mas, como demonstra o caso de Shenzhen, mesmo o uso de ônibus movidos com energia gerada integralmente por carvão registra emissões inferiores às dos veículos a diesel, insiste David Fishman, consultor do Lantau Group.

reb/sah/sbr/ka/avl/fp/tt

© Agence France-Presse

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes