Aquecimento global representa 'estresse para ecossistemas marinhos', avalia oceanógrafo

O aquecimento global torna os oceanos mais ácidos, menos oxigenados e menos produtivos, trazendo também "estresse aos ecossistemas marinhos", segundo o oceanógrafo e climatologista especialista no fenômeno El Niño, Jérôme Vialard, do Instituto de Pesquisa para o Desenvolvimento, sediado na França.

- Como explicar os recordes de temperaturas alcançados este ano nos oceanos, com mais de 21ºC em média na superfície durante o verão boreal? -

Resposta: "Uma parte disso é atribuível ao que ocorre no Pacífico, com o fenômeno El Niño, que corresponde a um aquecimento de grande parte do Pacífico tropical. Entretanto, saímos de três anos de La Niña, que tende a atenuar os efeitos do aquecimento climático, um pouco como uma espécie de (sistema de) climatização. Em 2023, a climatização parou e, além disso, determinamos o aquecimento com o desenvolvimento do El Niño.

O El Niño modifica a circulação da atmosfera em escala planetária e aquece áreas distantes. Tipicamente, atingirá o pico em dezembro e durará até a próxima primavera (boreal). Então, é principalmente no próximo ano que veremos os efeitos máximos do El Niño.

A anomalia atual de temperatura não me parece completamente desproporcional. O recorde de temperatura global anterior é de 2016, relacionado ao forte El Niño de 2015-2016. Desde então, continuamos acumulando gases de efeito estufa na atmosfera. Portanto, não é surpreendente que, com o fim da La Niña e o início do El Niño, nos deparamos com um novo recorde de temperatura, muito acima do anterior.

Com o ritmo atual de emissões de gases de efeito estufa, é quase surpreendente que ainda não tenhamos quebrado um recorde de temperatura global antes. E, na minha opinião, infelizmente, corremos o risco de quebrar um novo recorde no próximo ano.

- Podemos falar em aquecimento climático desenfreado? -

R: "Não há, por enquanto, consenso científico sobre um efeito de desenfreamento do aquecimento climático em escala planetária. O que a ciência diz é que o aquecimento médio do planeta está linearmente associado à quantidade total de CO2 emitido. Uma tonelada a mais de carbono na atmosfera significa um aquecimento adicional. O que precisamos fazer, portanto, é parar de emitir CO2. Temos nosso destino em nossas mãos.

Mais do que o sistema climático, o que é preocupante é a inação dos políticos".

- Qual é o efeito do aquecimento climático nos oceanos? -

R: "Há mais acidificação dos oceanos. O dióxido de carbono se dissolve no oceano e aumenta sua acidez. Os corais e os organismos cujo esqueleto é calcário (ostras, caranguejos, lagostas, etc.) sofrerão com isso. Além disso, os gases são menos solúveis em um oceano que está quente: isso significa que há uma desoxigenação dos oceanos.

Continua após a publicidade

Em suma, a produtividade dos oceanos diminui porque há menos nutrientes que sobem do oceano profundo. O aquecimento climático penetra lentamente no oceano e aquece primeiro a camada superficial. O oceano superficial torna-se então mais leve do que as camadas inferiores, mais frias. É, então, mais difícil misturar essas diferentes camadas.

O problema é que os sais minerais, encontrados nas profundezas, têm mais dificuldade em subir em direção à superfície, onde está a luz. No entanto, esses nutrientes são importantes para o desenvolvimento da vida marinha, do fitoplâncton, que é a base da cadeia alimentar.

Isso tem um efeito nos grandes predadores, até mesmo na pesca. Todos esses efeitos gerarão estresse nos ecossistemas marinhos".

aag/mb/gvy/cr/dbh/meb/ms/aa

© Agence France-Presse

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes