México e EUA concordam em cooperar no controle de investimentos estrangeiros

México e Estados Unidos estabeleceram, nesta quinta-feira (7), a formação de um grupo de trabalho para controle de investimentos estrangeiros com o objetivo de evitar riscos de segurança nacional, no momento em que Washington busca relocalizar suas cadeias de suprimentos em países aliados.

O acordo, assinado pela secretária do Tesouro dos Estados Unidos, Janet Yellen, e pelo secretário da Fazenda mexicano, Rogelio Ramírez de la O, será concretizado ao final de uma visita de três dias de Yellen ao México, onde a funcionária americana buscou impulsionar o combate ao fentanil e aprofundar os laços econômicos binacionais.

Yellen anunciou na quarta-feira que seu departamento impôs sanções financeiras contra 15 mexicanos e duas empresas acusadas de integrar uma rede vinculada ao cartel do tráfico de drogas Beltrán Leyva e dedicada a enviar fentanil para os Estados Unidos.

Nesse sentido, o entendimento desta quinta "reafirma nosso compromisso conjunto para combater a ameaça que certos investimentos estrangeiros representam para a nossa segurança nacional", afirmou a secretária do Tesouro americano, em coletiva de imprensa no palácio presidencial na Cidade do México.

Yellen acrescentou que o grupo de trabalho vai trocar "conhecimentos técnicos e melhores práticas" para o monitoramento dos investimentos.

Embora o acordo não mencione países específicos, em anos recentes a agência americana que avalia os riscos dos investimentos estrangeiros (CFIUS, na sigla em inglês) investigou empresas como o TikTok, de propriedade do conglomerado chinês ByteDance.

Perguntada sobre possíveis restrições aos investimentos chineses no México a partir do acordo, Yellen assegurou que, desde que não suscitem "preocupações de segurança nacional" para seu país, Washington não tem "absolutamente nenhum problema" com a chegada de capitais do gigante asiático.

Ramírez de la O ressaltou, por sua vez, a natureza "dominante" dos laços financeiros e comerciais com os Estados Unidos, por isso a relação do México com outros países não é uma prioridade "tão grande".

- 'Segurança nacional' -

O acordo entre México e Estados Unidos destaca a importância de contar com mecanismos efetivos de revisão dos investimentos, especialmente aqueles envolvendo tecnologia, infraestrutura crítica e dados sensíveis, acrescentou o Tesouro americano em comunicado.

Continua após a publicidade

"Este grupo de trabalho reconhece o fato de que a segurança nacional dos Estados Unidos está vinculada à segurança de nossos aliados e parceiros, incluindo nossos vizinhos da América do Norte", acrescentou Paul Rosen, subsecretário do Tesouro para a Segurança dos Investimentos, citado no documento.

O CFIUS trabalha com governos de "todo o mundo" para ajudá-los a fortalecer suas ferramentas para controlar investimentos estrangeiros, aponta o comunicado.

Ramírez de la O destacou que o acordo também oferece "oportunidades" para introduzir outros temas de interesse para o México, como o do sistema de pagamentos digitais e da redução do custo de envio de remessas, uma das maiores fontes de divisas do país.

O comércio entre Estados Unidos e México - sócios no acordo de livre-comércio T-Mec com o Canadá - superou 850 bilhões de dólares (R$ 4,16 trilhões, na cotação atual) em 2022.

Durante sua visita, Yellen também se reuniu com o presidente mexicano Andrés Manuel López Obrador, mas, por ora, não vazaram os temas que foram discutidos no encontro.

bys/jla/mr/rpr/mvv

Continua após a publicidade

© Agence France-Presse

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes